17:31 06 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    0 02
    Nos siga no

    O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) do Equador anunciou neste domingo (18) os resultados oficiais do segundo turno das eleições presidenciais no país, e confirmou a vitória do ex-banqueiro de direita Guillermo Lasso.

    Em sessão plenária, os cinco integrantes do órgão eleitoral avalizaram de forma unânime as atas do pleito, no qual Lasso se impôs sobre o seu rival, o esquerdista Andrés Arauz, com 52,36% do total de votos depositados nas urnas em 11 de abril.

    Após o anúncio dos resultados oficiais, o órgão eleitoral inicia agora um período para eventuais impugnações. Assim que todos os recursos forem apreciados, o CNE fará o anúncio oficial do novo presidente do Equador.

    Com um total de 10.829.823 votantes, a sessão plenária do CNE aprova por unanimidade o relatório final da dignidade do binômio presidencial e proclama os resultados do segundo turno das eleições de 2021 no Equador.

    Segundo o Conselho Nacional Eleitoral, foram contabilizados durante o processo eleitoral um total de 10,83 milhões de votos, de um colégio eleitoral formado por 13,01 milhões de eleitores.

    "Ficou demonstrado que somos uma sociedade honesta, que respeita a honra, a dignidade e os princípios democráticos", disse Enrique Pita, vice-presidente do CNE.

    Na disputa do primeiro turno, em 7 de fevereiro, Lasso e Arauz foram os mais votados entre os 16 candidatos presidenciais, a maioria dos quais sequer chegou a 4% de apoio. Lasso, no entanto, quase ficou fora da disputa, já que superou o terceiro colocado - o líder indígena Yaku Pérez - por uma margem de apenas 0,35%.

    Mais:

    Equador: Indígenas marcham rumo a Quito para denunciar fraudes na eleição presidencial
    Ex-presidente Rafael Correa denuncia fraude eleitoral no Equador
    Presidente eleito do Equador pede aumento da pressão internacional sobre a Venezuela
    Tags:
    anúncio, Guillermo Lasso, resultado, eleições presidenciais, Equador
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar