05:46 03 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    1623
    Nos siga no

    Novo relatório norte-americano descreveu a China e a Rússia como "rivais determinados", apresentando a China como uma ameaça estratégia "mais premente".

    O Pentágono advertiu em seu novo relatório intitulado Vantagem no Mar que forças da Marinha norte-americana se tornariam mais enérgicas nas respostas aos atos de agressão, expansionismo e violações do direito internacional, especialmente os realizados pela China, que foi criticada por suas ambições expansionistas no mar do Sul da China.

    O relatório, assinado em conjunto por chefes do Corpo de Fuzileiros Navais, da Marinha e da Guarda Costeira dos EUA, comunicou que a "ordem internacional baseada em regras mais uma vez é atacada", e que o ambiente de segurança vem mudando drasticamente desde 2015.

    No mesmo, é declarado que a Rússia e a China são "rivais determinados" dos Estados Unidos e que a China apresenta uma "ameaça estratégica a longo prazo mais urgente".

    Adicionalmente, também declara que "a China é a única rival com potencial econômico e militar combinado, apresentando um desafio global a longo prazo".

    Pequim está no meio de uma veloz modernização e expansão do seu poder militar, o país tem uma das maiores forças navais no mundo, triplicando seu tamanho nas últimas duas décadas.

    Em resposta às ações do país asiático nos mares do Sul da China e da China Oriental, assim como no estreito de Taiwan, os Estados Unidos aumentaram sua atividade naval na região e impuseram sanções contra o gigante asiático.

    "Nossas forças navais mobilizadas globalmente interagem com aeronaves e navios de guerra chineses e russos diariamente", segundo relatório.

    O documento do Pentágono previu que em caso de conflito, ambos os países, China e Rússia, provavelmente tentariam tomar territórios antes que os EUA e aliados pudessem responder de forma eficaz.

    Para manter a vantagem estratégica sobre a Marinha chinesa, os Estados Unidos planejam modernizar suas forças navais com navios menores, mais ágeis e remotamente pilotados.

    Quanto à Rússia, o documento declara que deve manter Moscou sob controle para impedir que persiga uma "esfera de influência expandida" e "fragmente a ordem internacional existente".

    "Forças navais em posições avançadas aceitarão riscos táticos calculados e adotarão postura mais assertiva em nossas operações diárias", de acordo com relatório do Pentágono.

    O relatório acusou a Rússia e a China de empregarem todos os instrumentos de poder para minar o sistema internacional e refazê-lo segundo seus próprios interesses, em particular, realizando gradualmente "uma variedade de atividades malignas" para não desencadear uma resposta militar.

    Mais:

    Reinício chinês: como seria a rivalidade EUA-China com Biden na Casa Branca?
    Chancelaria da Rússia apela para retirada total de armas nucleares dos EUA da Europa
    China quer compartilhar rochas lunares, mas restrições dos EUA impedem que norte-americanos recebam
    Como EUA podem acelerar capacidades de defesa para 'acompanhar ritmo' da China e Rússia no Ártico?
    Tags:
    EUA, relatório, Marinha, China, Rússia, rivais, ameaça, Pentágono
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar