23:36 03 Junho 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    391748
    Nos siga no

    O presidente Donald Trump disse nesta sexta-feira que o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, deveria ter cuidado com suas palavras sobre os EUA e a Europa devido à situação na República Islâmica, em meio a uma tensão renovada entre os dois países.

    "O suposto 'líder supremo' do Irã, que não tem sido tão supremo ultimamente, disse coisas muito feias sobre os EUA e a Europa. Sua economia está caindo drasticamente e seu povo está sofrendo. Ele deve ter muito cuidado com suas palavras!", escreveu Trump no Twitter.

    O presidente norte-americano acrescentou minutos depois que os líderes iranianos estão levando a nação à ruína.

    "O povo nobre do Irã - que ama os Estados Unidos - merece um governo mais interessado em ajudá-los a alcançar seus sonhos do que em matá-los por exigir respeito. Em vez de levar o Irã à ruína, seus líderes devem abandonar o terror e fazer o Irã grande novamente", completou Trump, que twittou a mensagem em persa.

    Nas orações de sexta-feira, que Khamenei oficiou pela primeira vez em oito anos, o aiatolá declarou que o Reino Unido, a França e a Alemanha, membros do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), são "fantoches" dos Estados Unidos.

    Supremo líder do Irã, aiatolá Ali Khamenei, chora ao guiar reza durante funeral do major-general Qassem Soleimani
    © AP Photo / Iran Press TV
    Supremo líder do Irã, aiatolá Ali Khamenei, chora ao guiar reza durante funeral do major-general Qassem Soleimani
    "O Reino Unido, a Alemanha e a França não fazem nada. Eles servirão aos interesses dos Estados Unidos. São fantoches", afirmou Khamenei ao falar diante de centenas de iranianos em Teerã.

    Khamenei comentou também que os europeus "não deixarão a nação iraniana de joelhos".

    Em 14 de janeiro, a Alemanha, a França e o Reino Unido anunciaram a ativação do mecanismo de resolução de disputas no âmbito do pacto nuclear com o Irã, alegando que Teerã poderia violar o acordo.

    A tensão entre os EUA e o Irã aumentou no início de janeiro, depois que Washington ordenou o assassinato do general Qassem Soleimani em Bagdá e Teerã respondeu dias depois com o lançamento de mísseis contra bases usadas pelos militares dos EUA no Iraque, sem causar baixas.

    Mais:

    Trump assume desejo de controlar petróleo no Oriente Médio
    Especialista japonesa sobre Oriente Médio: Trump não retirará tropas do Iraque
    Julgamento de impeachment de Trump no Senado começa oficialmente
    Tags:
    ameaça, acordo nuclear, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), Iraque, Qassem Soleimani, Aiatolá Ali Khamenei, Donald Trump, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar