05:47 19 Janeiro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8183
    Nos siga no

    O assassinato em Bagdá do general iraniano Qassem Soleimani por meio de ataque de drone inflamou ainda mais as tensões entre Teerã e Washington.

    A morte de seu general e chefe da Força Quds do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica fez com que o Irã retaliasse, atacando bases americanas no Iraque e, segundo declarações do porta-voz do Comando Central dos EUA (CENTCOM) Bill Urban, esses ataques deixaram 11 soldados estadunidenses feridos.

    O chefe do Estado-Maior das Forças Armadas iranianas, general Mohammad Bagheri, advertiu que o país tomará medidas ainda mais duras se Washington mantiver o mesmo comportamento, relata a agência de notícias Mehr.

    Segundo a mídia iraniana, o comandante afirmou que a retaliação pelo assassinato do general Soleimani demonstrou que o Irã está determinado a defender seus direitos.

    O militar iraniano ameaçou os EUA com represálias durante uma conversa telefônica com o ministro da Defesa turco, Hulusi Akar. Segundo a referida agência de notícias iraniana, Bagheri classificou o assassinato de Soleimani como "um ato covarde, desumano e imoral", que contraria todas as leis internacionais.

    Bagheri avisou que, embora a República Islâmica não esteja interessada na escalada de tensões, quaisquer ações irracionais e agressivas empreendidas por outros países irão levar a uma resposta vigorosa por parte de Teerã. Ele também disse acreditar que "a razão de toda a instabilidade e conflitos será eliminada com a saída dos EUA da região".

    Por sua vez, o ministro da Defesa turco elogiou os laços amigáveis entre Ancara e Teerã, destacando que garantir a paz e estabilidade na região é do interesse de ambos os países.

    "Devemos trabalhar juntos para manter a estabilidade e não podemos permitir que os terroristas aproveitem a oportunidade de aumentar as tensões na região", disse Akar ao comandante iraniano, conforme citado pela mídia.

    Anteriormente, o portal Defense One comunicou que 11 soldados dos EUA com "sintomas de concussão" foram transferidos do Iraque para a Alemanha e o Kuwait para avaliação e tratamento.

    No dia 8 de janeiro, a base militar Ain Al-Asad, localizada na província iraquiana de Anbar, sofreu um ataque de 22 mísseis balísticos iranianos de curto alcance.

    Mais:

    EUA removem tropas de exercícios da OTAN na Noruega em meio a conflito com Irã
    Presidente do Irã se gaba do enriquecimento crescente de urânio e pontua: 'Nada nos limita'
    Tags:
    drone, tensões, Corpo dos Guardiões da Revolução Islâmica (CGRI), Irã, EUA, Iraque, Qassem Soleimani
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar