17:21 11 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Tropa de choque tenta deter manifestante durante protestos em Santiago do Chile

    Protestos no Chile: promotor investigará denúncias de tortura policial contra manifestantes

    © REUTERS / Ivan Alvarado
    Américas
    URL curta
    0 11
    Nos siga no

    Um promotor chileno afirmou nesta quarta-feira que procuraria a aprovação jurídica para investigar 14 policiais por supostamente torturar manifestantes durante quase três semanas de intensa agitação e tumultos no país.

    Os protestos contra as profundas desigualdades em um dos países mais ricos da América Latina foram menos violentos nos últimos dias, mas mostram poucos sinais de alívio, com manifestantes se reunindo nesta quarta-feira perto de um enorme shopping center em um dos bairros mais chiques de Santiago.

    O promotor Manuel Guerra disse que sua investigação envolve dois incidentes separados durante um estado de emergência de nove dias na capital, que passou a valer a partir de 18 de outubro.

    Um deles foi relacionado às ações de 12 policiais em Nunoa, um subúrbio boêmio de Santiago, onde os manifestantes desafiaram o toque de recolher para conduzir noites sucessivas de grandes, mas principalmente pacíficas manifestações, disse um porta-voz de Guerra à agência Reuters, sem fornecer mais detalhes.

    O segundo incidente está relacionado a dois policiais da região de classe média baixa de La Florida, acusados de espancar um jovem algemado, prosseguiu o porta-voz. Já um representante da polícia informou que não sabia se os policiais haviam sido suspensos e se recusou a comentar mais detalhes.

    A pior agitação do Chile desde o final da ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) causou pelo menos 23 mortes, mais de 7.000 detenções e feridos em 1.659 manifestantes e 800 policiais, segundo autoridades e grupos de direitos humanos.

    Os promotores estão investigando mais de 800 alegações de abuso, incluindo tortura, estupro e espancamentos das forças de segurança durante manifestações sobre desigualdade e custo de vida que muitas vezes degeneraram em distúrbios.

    O porta-voz de Guerra disse que solicitaria que os 14 policiais sob investigação por supostamente torturarem manifestantes fossem detidos enquanto os casos fossem investigados.

    O presidente Sebastian Piñera prometeu na quinta-feira passada que a polícia e os soldados considerados culpados de violações de direitos seriam processados com a mesma força que os manifestantes e saqueadores.

    "Este presidente está comprometido com o total respeito aos direitos humanos em todos os momentos e em todas as circunstâncias", informou Piñera, diretamente do palácio presidencial de La Moneda, em Santiago. "Investigaremos qualquer excesso, falha de protocolo no uso da força ou uso excessivo da força".

    Ele rejeitou as críticas nas mídias sociais de que seus ministros apenas visitaram policiais feridos, e não manifestantes, dizendo que ele visitará manifestantes nos próximos dias.

    Uma equipe enviada por Michelle Bachelet, chefe de direitos humanos da ONU e ex-presidente chilena, e outra da Anistia Internacional, também estava no Chile entrevistando supostas vítimas.

    Sebastián Piñera, presidente do Chile
    © AP Photo / Oded Balilty
    Sebastián Piñera, presidente do Chile

    Novos protestos

    Os chilenos nas mídias sociais convocaram outra manifestação nesta quarta-feira, na base do edifício mais alto da América Latina, o Costanera Center, uma torre de 300 metros de vidro no centro da chamada Sanhattan, a área comercial de Santiago.

    As lojas do shopping do centro fecham logo após o meio-dia. A maioria dos manifestantes que chegaram foram rapidamente dispersados pela polícia usando canhões de água.

    Mais tarde, vândalos mascarados saquearam um café, uma farmácia, uma mercearia e várias outras pequenas lojas, bloqueando uma avenida principal com uma fogueira e paralisando o tráfego noturno. Os vândalos também atacaram os escritórios do partido direitista União Democrática Independente (UDI), a vários quarteirões do centro Costanera.

    Evelyn Matthei, prefeito do bairro de Providencia, declarou que dezenas de lojas foram danificadas ou saqueadas. "Estamos vendo um nível de violência e destruição que nunca vimos antes", disse ela no Twitter.

    No início do dia, os motoristas de caminhões que protestavam contra pedágios causaram o caos dos passageiros, bloqueando as principais rodovias que circundam Santiago. Motoristas e passageiros estacionados na estrada resgatados de seus veículos para jogar futebol no meio de uma grande estrada regional, mostraram imagens da televisão.

    Piñera, enquanto isso, avançou com reformas destinadas a domar a contínua agitação. Ele enviou uma lei ao Parlamento para garantir um salário mínimo de US$ 480 por mês, parte de um ambicioso plano de gastos sociais anunciado no mês passado, à medida que os protestos cresciam.

    "Estamos respondendo com ação e não apenas com boas intenções às coisas que as pessoas exigem com tanta força", disse ele em um discurso televisionado.

    O ministro das Finanças do Chile disse ao Comitê Orçamentário do Congresso nesta quarta-feira que o governo retiraria US$ 600 milhões de seu fundo soberano para financiar o plano social.

    Mais:

    Para lidar com protestos, Piñera cancela encontros da APEC e COP25 no Chile
    Chile é atingido por terremoto de magnitude 6,0 (FOTOS, VÍDEO)
    Conmebol muda local da final da Libertadores devido a protestos no Chile
    Tags:
    liberalismo, neoliberalismo, pobreza, desigualdade, repressão, Augusto Pinochet, torturas, violência policial, violência, protestos, Michelle Bachelet, Sebastián Piñera, Santiago, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar