18:56 12 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Agentes das forças de segurança reprimem manifestantes em Valparaíso, no Chile

    Apesar de novos protestos, governo chileno garante que estado de emergência não voltará

    © REUTERS / Rodrigo Garrido
    Américas
    URL curta
    0 01
    Nos siga no

    Após mais uma jornada de protestos nesta segunda-feira (28), o governo do Chile informou que não pretende decretar novamente estado de emergência, disse a porta-voz do executivo, Karla Rubilar. 

    "Nós não contemplamos voltar ao estado de emergência, com carabineiros [polícia militarizada] e a promotoria ordenaremos a cidade e buscaremos os agressores", afirmou ela em uma coletiva de imprensa. 

    A funcionária do governo fez um balanço de mais um dia de manifestação, condenando os confrontos registrados em Santiago e outras cidades. A onda de protestos começou no dia 14 de outubro no país. 

    O estopim foi o aumento das passagens de metrô, mas depois as demandas se expandiram para uma insatisfação generalizada com o custo de vida, saúde, pensões e educação. Para fazer frente à crise, o presidente Sebastián Piñera decretou toque de recolher e estado de emergência

    Depois, acabou cedendo, congelou as tarifas do transporte e energia e anunciou um pacote de medidas sociais e econômicas para atender algumas exigências dos manifestantes. 

    'Violência, delinquência e caos'

    Santiago terminou a segunda-feira com um centro comercial e um hotel em chamas. "No Chile vemos duas imagens, um claro cartão-postal de uma manifestação pacífica, enquanto por outro lado vemos violência, delinquência e caos", disse Rubilar.

    Ela fez um chamado para "todos os setores políticos, todas as organizações e toda a população condenarem a violência". Segundo a porta-voz, os responsáveis pelos distúrbios são pessoas organizadas, "um grupo de sete mil pessoas que acreditam que podem tomar Santiago". Em várias cidades do país ocorreram incidentes violentos, barricadas e choques com a polícia. 

    Até o momento, 19 pessoas morreram na onda de protestos, cinco delas em ações das forças de segurança. Os manifestantes denunciam repressão violenta, incluindo prisões arbitrárias e até mesmo tortura. As Nações Unidas anunciaram que vão enviar uma missão para o país para investigar violações dos direitos humanos.

    Mais:

    Governo do Chile anuncia congelamento do aumento de energia para conter protestos
    Presidente do Chile diz que 'escutou mensagem' após protesto com 1 milhão de pessoas
    Após protestos, popularidade do presidente do Chile despenca para mínimo histórico
    Tags:
    América do Sul, américa latina, educação, economia, saúde, Crise, protestos, Sebastián Piñera, Chile
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar