10:35 18 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    A bandeira da República Popular da China e as Estrelas e Listras dos Estados Unidos tremulam pela Avenida da Pensilvânia, perto do Capitólio dos EUA, durante a visita de Estado do presidente chinês, Hu Jintao em 18 de janeiro de 2011 (foto de arquivo).

    Pence disse que EUA estão buscando cooperação com a China, não confronto

    © REUTERS / Hyungwon Kang
    Américas
    URL curta
    704
    Nos siga no

    O vice-presidente dos EUA, Mike Pence, declarou nesta quinta-feira (24) que os EUA não querem um confronto com a China, mas buscam interação em diversas questões, como economia e a desnuclearização da Coreia do Norte.

    "Não estamos procurando um confronto com a China, estamos buscando cooperação em vários níveis, incluindo cooperação econômica e militar. Não estamos tentando parar o desenvolvimento da China. Queremos relações construtivas com os líderes chineses", afirmou.

    De acordo com ele, "a China e os Estados Unidos também continuarão a trabalhar juntos para alcançar uma desnuclearização segura, completa e irrevogável da Coreia do Norte".

    ​O vice-presidente dos EUA destacou também que "grande parte do destino do século XXI dependerá da relação entre os EUA e a China".

    Em 11 de outubro, o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciou um acordo comercial "substancial" para resolver a guerra tarifária que dura há quase dois anos.

    Posteriormente, o porta-voz do Ministério do Comércio da China, Gao Feng, não confirmou quando a primeira fase do acordo será assinada ou se haverá outra reunião entre os dois países, ressaltando apenas que os dois lados permanecem em contato.

    Mais:

    EUA e Austrália vão investir bilhões em bases, frente à presença da China no Pacífico
    EUA usam OCDE para exigir 'apoio' do Brasil contra a China, diz especialista
    China supera pela 1ª vez EUA em riqueza mundial, aponta ranking
    Tags:
    Mike Pence, guerra comercial, acordo comercial, EUA, China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar