22:56 13 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeiras chinesas e norte-americanas

    Após Trump anunciar 'vitória' sobre a China, fazendeiros dos EUA esperam por detalhes

    © AP Photo / Ng Han Guan, Pool
    Américas
    URL curta
    234
    Nos siga no

    Dizendo que a China prometeu comprar até US$ 50 bilhões em produtos agrícolas dos EUA, o presidente Donald Trump está incentivando os agricultores americanos a se prepararem para um grande influxo de negócios.

    Mas depois de meses de perdas e incertezas em meio à guerra comercial que Trump lançou, muitos no setor agrícola dizem que precisam de mais detalhes antes de abrir as rolhas de champanhe.

    Logo após anunciar que um acordo comercial havia sido alcançado, em princípio, entre as duas principais economias do mundo, o presidente chegou a sugerir no Twitter, brincando, que os agricultores "começaram a pensar em adquirir tratores maiores!"

    Mas na segunda-feira, a maior federação agrícola do país, o Farm Bureau, informou à France 24 que estava aguardando informações mais concretas sobre o acordo provisório com a China, que os negociadores continuam finalizando.

    E Roger Johnson, presidente da União Nacional dos Agricultores (NFU), disse que "embora tenhamos prazer em ver uma detenção nessa guerra comercial aparentemente interminável, os benefícios tangíveis para os agricultores e agricultores familiares americanos não são claros".

    "Em que período os US$ 50 bilhões em compras agrícolas - uma quantia que é o dobro do nosso pico de exportações agrícolas anuais para a China - ocorrerão?", perguntou ele em um comunicado na última sexta-feira.

    No auge em 2012 e 2013, quando uma seca nos EUA levou os preços das commodities agrícolas a níveis recordes, as exportações para a China não atingiram mais de US$ 26 bilhões.

    As importações chinesas de produtos agrícolas dos EUA caíram em 2017 para US$ 19,5 bilhões, antes de cair acentuadamente no ano passado, para pouco mais de US$ 9 bilhões, depois que Pequim impôs impostos pesados sobre as importações dos EUA em retaliação por medidas similares dos EUA.

    "Desde o início da guerra comercial, os agricultores foram prometidos que sua paciência seria recompensada", afirmou Brian Kuehl, co-diretor executivo da Farmers for Free Trade, em comunicado. "Até o momento, o acordo que eles foram prometidos ainda não chegou."

    Plantação de soja.
    Agência Estado / Celso Junior
    Plantação de soja.

    Tarifas, preços e dúvidas

    O governo Trump liberou US$ 28 bilhões em ajuda financeira aos agricultores americanos para amenizar o golpe das tarifas chinesas, mas não há menção no acordo comercial da China de elevar suas tarifas existentes.

    "Os agricultores de Wisconsin, Minnesota, Texas e outros lugares ainda vão acordar enfrentando tarifas de dois dígitos em um dos maiores mercados de exportação da América", declarou Kuehl.

    Na Bolsa Mercantil de Chicago, onde os corretores apostam nas tendências dos preços dos produtos agrícolas, o mercado estava longe de eufórico.

    Os preços da soja subiram apenas 0,5% na segunda-feira, embora os produtores americanos de produtos oleaginosos estejam entre os primeiros a se beneficiarem de um aumento nas encomendas chinesas.

    As importações de soja da China dos EUA totalizaram US$ 12 bilhões em 2017. O gigante asiático comprou 57% de todas as exportações de soja dos EUA naquele ano.

    Esse total caiu para US$ 3 bilhões em 2018, devido a novas tarifas nos EUA e uma epidemia de peste suína africana que dizimou os rebanhos chineses - muitos deles alimentados pela soja americana.

    "A reação silenciosa do mercado mostra o ceticismo sobre o acordo, a ideia de que, mesmo que isso aconteça, apenas atrapalha os fluxos comerciais" entre diferentes países, disse Bill Nelson, economista-chefe da consultoria agrícola Doane Advisory Services.

    Desde as tarifas, a China aumentou sua dependência do Brasil e da Argentina para o fornecimento de soja, enquanto o México e alguns membros da União Europeia compraram mais da safra dos EUA.

    Nelson disse que não é possível "repentinamente" materializar outros US$ 20 bilhões em interesses de compra do nada".

    Para compensar as perdas da epidemia de peste suína africana, a China aumentou bastante seus pedidos de carne de porco nas últimas semanas, enquanto encomendava cerca de 3,7 milhões de toneladas de soja durante o mês de setembro.

    Nelson alertou que, embora "isso pareça bastante impressionante [...] as vendas ainda são mais baixas do que costumavam ser três ou quatro anos atrás".

    Mais:

    Guerra comercial entre China e EUA traz 'instabilidade' para economia global, diz Merkel
    Por que o real pode ganhar com acordo entre China e EUA?
    Acordo China-EUA não fará Brasil diminuir exportação de commodities, diz empresário
    Tags:
    negociações, agricultura, grãos, soja, guerra comercial, agronegócio, Xi Jinping, Donald Trump, China, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar