19:25 07 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, em Caracas

    EUA tentam sabotar as eleições parlamentares da Venezuela de 2020, diz Maduro

    © Sputnik / Stringer
    Américas
    URL curta
    522
    Nos siga no

    O presidente venezuelano Nicolás Maduro alertou que os EUA estão tentando atrapalhar as eleições parlamentares do país porque "eles não podem vencer" de outra forma. O Parlamento local é atualmente dirigido pela oposição apoiada pelos EUA.

    Os Estados Unidos podem tentar sabotar as eleições legislativas da Venezuela, programadas para 2020, declarou Maduro em uma entrevista à TV Rossiya 24 da Rússia, transmitida nesta segunda-feira.

    "Já posso alertar a comunidade internacional de que o atual governo dos EUA, com sua política extremista e guerra não convencional contra a Venezuela, está perturbando as eleições parlamentares", comentou.

    Washington quer se intrometer na próxima votação porque "eles sabem que não podem vencer", acrescentou Maduro.

    O Parlamento venezuelano é atualmente controlado por uma coalizão de partidos de oposição cujo líder, Juan Guaidó, se declarou "presidente interino" do país em janeiro, desafiando abertamente o governo de Maduro.

    Juan Guaidó, líder de la oposición venezolana
    © REUTERS / Ivan Alvarado
    Juan Guaidó, líder opositor de Venezuela

    Desde então, Guaidó realizou numerosos protestos antigovernamentais em massa na capital do país, Caracas, e exortou o Exército e a polícia a se unirem a seus apoiadores para derrubar o governo. As Forças Armadas e policiais, no entanto, permanecem leais a Maduro.

    Guaidó é apoiado abertamente pelos EUA e seus aliados na Europa, bem como pela maioria dos países da América do Sul, incluindo os vizinhos da Venezuela, Brasil e Colômbia. Estados como China, Rússia, Irã e Turquia continuam a reconhecer Maduro como presidente legítimo.

    Washington impôs várias rodadas de sanções contra autoridades e empresas venezuelanas nos últimos meses. Maduro considerou isso um ato de guerra econômica e acusou os EUA de conspirar para assassiná-lo. Ele também prometeu não se curvar a nenhuma pressão externa.

    Maduro foi reeleito para um segundo mandato em maio de 2018. Os países ocidentais e muitos Estados sul-americanos disputaram os resultados, acusando Maduro de fraudar votos. A eleição foi boicotada pelos principais partidos da oposição.

    Mais:

    Venezuela diz que EUA praticam 'terrorismo econômico' com sanções contra Irã
    Ministério do Petróleo da Venezuela acusa oposição de destruir subsidiária da PDVSA
    Uruguai ameaça sair do TIAR caso OEA aprove intervenção armada na Venezuela, diz chanceler
    Tags:
    interferência estrangeira, eleições, relações bilaterais, crise na venezuela, diplomacia, Juan Guaidó, Nicolás Maduro, Estados Unidos, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar