21:00 16 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Nicolás Maduro, presidente da Venezuela (foto de arquivo)

    Maduro diz que tentativas de assassinato malsucedidas partiram da Colômbia e EUA

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Américas
    URL curta
    6163
    Nos siga no

    Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acusou a Colômbia e os Estados Unidos de o tentar matar, por mais de uma vez, perante um canal de TV russo.

    Segundo Maduro, as tentativas de assassinato ocorreram durante um ano. Elas teriam sido organizadas na Colômbia com o aval de Washington.

    "É uma pena que eles tenham começado a usar métodos puramente criminosos e tentam realizar um assassinato político para remover um presidente", disse Maduro ao canal de TV Rossiya 1.

    O presidente também ressaltou que, apesar dos supostos ataques, a "Venezuela quer viver em paz".

    Para o líder venezuelano, o ex-presidente colombiano Álvaro Uribe planejou seu assassinato com a ajuda de mercenários.

    Caracas considera que a Colômbia se tornou um instrumento dos Estados Unidos contra a Venezuela.

    "Estes extremistas e falcões em Washington escolheram faz tempo a Colômbia como sua base para um conflito militar contra a Venezuela. Nós não permitiremos isso. Mas o mundo deve saber que na Colômbia existem sete bases norte-americanas, as quais ameaçam a segurança da América Latina, sobretudo da Venezuela", acrescentou o presidente.

    Ataque com drones

    Em 4 de agosto de 2018, durante uma parada militar em Caracas um grupo de drones voou em direção à tribuna onde estava Maduro.

    Os drones estavam armados com explosivos. O fato foi anunciado pelo ministro das Comunicações da Venezuela, Jorge Rodríguez.

    Mais:

    'No more Trump': Maduro celebra 13 milhões de assinaturas arrecadadas na campanha
    Venezuela publica novas FOTOS de Juan Guaidó com narcoparamilitares da Colômbia
    Colômbia ameaça acusar Cuba de promover o terrorismo
    Tags:
    Venezuela, Colômbia, tentativa de assassinato, Álvaro Uribe, Nicolás Maduro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar