14:49 20 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Medicamentos (imagem referencial)

    História desoladora: como bloqueio da Venezuela mata pessoas inocentes? (FOTOS, VÍDEO)

    © Sputnik / Ruslan Krivobok
    Américas
    URL curta
    7132
    Nos siga no

    Isabella passa dias sem saber que sua vida depende de pílulas coloridas. Ela tem 21 meses e uma linguagem inteligível apenas para aqueles que passam horas com ela no Hospital Italiano de Buenos Aires decidindo qual cor de qual pílula ela deve tomar.

    Isabella nasceu com uma doença congênita e desde o início os médicos foram claros: ela precisa de um transplante de fígado para continuar vivendo. Os pais dela, Douglas e Yelibeth, não mediram esforços para averiguar as seguintes questões: doador, financiamento, transplante, onde, como e quando. Yelibeth se mostrou compatível e se tornou doadora de sua filha e todo o tratamento seria financiado pela Fundação Simón Bolívar através de dinheiro da Citgo, empresa filial da Petróleos de Venezuela (PDVSA) nos EUA.

    O acordo entre o Hospital Italiano da Argentina e Venezuela existe desde 2007 e até hoje foram transplantadas 109 crianças venezuelanas no sul do país. São especialistas neste tipo de casos e há 12 anos o círculo tem sido virtuoso. Douglas e Yelibeth deixaram tudo na Venezuela e em setembro de 2018 se mudaram para a capital argentina, tudo por conta do petróleo venezuelano sem os caprichos da política. Seu outro filho, Abraão, de 12 anos, foi com eles e começou a estudar em Buenos Aires. Uma tentativa de uma vida normal dentro da má sorte que Isabella enfrentou sem o saber antes dos seus comprimidos coloridos.

    A família de Isabella teve que deixar tudo na Venezuela para viver em Buenos Aires e acompanhar a menina em um tratamento altamente complexo, realizado em Buenos Aires e financiado pela Venezuela
    © Foto / Família de Isabella
    A família de Isabella teve que deixar tudo na Venezuela para viver em Buenos Aires e acompanhar a menina em um tratamento altamente complexo, realizado em Buenos Aires e financiado pela Venezuela

    Ocorreu tudo bem, em 26 de novembro, a operação de transplante de fígado foi realizada com sucesso e Isabella acordou com um pouco mais de Yelibeth em seu corpo em miniatura. Ela passou um mês e meio em terapia intensiva com vários inconvenientes e novas intervenções chegaram. No dia 9 de janeiro, Isabella finalmente recebeu alta. Ela deixou o hospital com a promessa de um pós-operatório que não seria fácil. O novo órgão teve de se adaptar e mostrar que funcionava. Adiante seriam de seis meses a um ano de tratamento.

    Mas em 28 de janeiro o Departamento do Tesouro dos EUA anunciou mais sanções contra a Venezuela. Neste caso contra a Citgo, financiadora do tratamento da pequena. Os EUA bloquearam os bens da empresa. No total, faltam US$ 7 bilhões.

    Por sua vez, o assessor de Segurança Nacional, John Bolton, previu que as sanções significariam um prejuízo adicional de US$ 11 bilhões no próximo ano para a petrolífera venezuelana. Citgo não desapareceria, continuaria a operar nos EUA, mas todos os seus bens não iriam mais para a Venezuela ou para fundações como Simón Bolívar.

    O dinheiro entraria em "uma conta especial bloqueada com o objetivo de eventualmente transferi-lo para um novo governo". Estas são as palavras do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin. Um novo e eventual governo de Juan Guaidó, autoproclamado líder da oposição e presidente interino.
    Quase quatro meses depois não há um novo governo na Venezuela e não há fundos para Isabella ou para as outras sete famílias venezuelanas em Buenos Aires com casos semelhantes.

    A saúde de Isabella está em perigo, porque, para garantir o sucesso do transplante de fígado, são necessários medicamentos muito caros que sua família não poderia pagar sem ajuda do governo venezuelano, que se vê impedido de pagar pelo tratamento devido ao congelamento dos bens nos Estados Unidos
    © Foto / Família de Isabella
    A saúde de Isabella está em perigo, porque, para garantir o sucesso do transplante de fígado, são necessários medicamentos muito caros que sua família não poderia pagar sem ajuda do governo venezuelano, que se vê impedido de pagar pelo tratamento devido ao congelamento dos bens nos Estados Unidos

    O dinheiro já não chega e o Hospital Italiano não consegue transplantar. A embaixada da Venezuela na Argentina ajuda como pode. "O Hospital nos oferece hospedagem e a embaixada nos ajuda com a comida, mas não sabemos por quanto tempo poderemos ficar assim", diz Douglas em uma conversa telefônica com a Sputnik Mundo da Argentina.

    Douglas tem 34 anos e deixou carreira de administrador de uma empresa venezuelana para se dedicar de corpo e alma à sua filha. "A minha filha precisa de cuidado muito delicado e terminar o tratamento. Neste momento, na verdade, o órgão está mostrando uma pequena rejeição e isso só pode ser controlado com medicamentos."

    Medicamentos que a Fundação lhes forneceu até o bloqueio chegar à Citgo. Isabella precisa de 16 remédios e cada um deles custa mais de 1.500 dólares por caixa. É simplesmente impossível para uma família normal pagar por si só.

    Douglas tem o bastante para pagar um mês de tratamento, nada mais. "Se Isabella não completar todo o procedimento, ela pode perder o transplante e teremos que operar novamente", diz ele. "Teríamos de começar do zero e seria mais complicado, porque a minha mulher já não pode ser doadora. Não temos esse tempo." 

    O bloqueio é usado na Venezuela como arma de guerra. Não é novo. É uma velha tática. Quem ganhar a sua batalha mediática determinará outras realidades. Um relatório recente do Centro de Pesquisas Políticas e Econômicas de Washington fornece uma estatística devastadora: as sanções dos EUA e o bloqueio da Venezuela são responsáveis por 40 mil mortes no país de 2017 até hoje. "Reduziu a disponibilidade de alimentos e medicamentos e aumentaram as doenças e a mortalidade", diz o documento sob o nome de "Sanções econômicas como castigo coletivo: o caso venezuelano". 

    Yelibeth, mãe de Isabella, pôde doar parte de seu fígado à filha, mas a viabilidade do tratamento realizado na Argentina está em perigo porque os EUA congelaram as contas da Citgo, empresa estatal venezuelana que financiou tratamentos altamente complexos no exterior
    © Foto / Família de Isabel
    Yelibeth, mãe de Isabella, pôde doar parte de seu fígado à filha, mas a viabilidade do tratamento realizado na Argentina está em perigo porque os EUA congelaram as contas da Citgo, empresa estatal venezuelana que financiou tratamentos altamente complexos no exterior

    "80.000 pessoas com HIV, 16.000 com câncer e 4 milhões com diabetes e hipertensão" são vítimas deste bloqueio, que o relatório descreve como "uma política impiedosa, ilegal e falha". Um dos autores do estudo é Jeffrey Sachs, um dos principais economistas da mídia americana. O observatório é mais do que bem conhecido e é frequentemente utilizado por ambos. Nesta ocasião, a mídia hegemônica se preocupa em revelar suas páginas. Ou pouco a pouco. Essa frase. Aquele. Um conta-gotas. A Venezuela é diferente.

    "Do ponto de vista dos direitos humanos, o principal obstáculo para garantir o respeito e o cumprimento dos direitos humanos na Venezuela é o bloqueio econômico e financeiro ilegal imposto pelo governo dos Estados Unidos." Larry Devoe é o secretário-executivo do Conselho Nacional de Direitos Humanos e um agente do Estado perante o Sistema Internacional de Direitos Humanos.

    Ele está seguindo passo a passo o caso de Isabella e outras famílias como a dela. "Só em Caracas", diz à Sputnik, "há 12 pessoas que já foram totalmente identificadas para um transplante de medula óssea. Iam para Itália e não puderam sair por causa do bloqueio de fato".

    Deve ser acrescentado o famoso caso das 25 crianças venezuelanas na Itália das quais o chanceler venezuelano, Jorge Arreaza, falou em uma recente coletiva de imprensa nas Nações Unidas. Também estão à espera de um transplante de medula óssea que não será feito.

    Quantos mais casos de crianças venezuelanas como estas estão no mundo? Quantos delas morrerão esperando? Alguns já morreram na Itália, na Venezuela e em outras partes do mundo. De quem será a culpa? Os detratores do governo de Nicolás Maduro afirmam que o bloqueio não é a causa da falta de alimentos e medicamentos na Venezuela, a crise existia antes das sanções norte-americanas. A este respeito, Antony Moreno, médico e porta-voz do Comitê de Doentes e Familiares das Vítimas do Bloqueio Financeiro, assegura que se trata de uma falácia.

    "Fizemos estudos e entre 2013 e 2015, com Maduro já no poder, mas antes das primeiras sanções, cada venezuelano tinha 20 tipos diferentes de medicamentos para ingerir em caso de contrair uma doença. As Nações Unidas corroboram isso, e a Venezuela alcançou os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio", diz ele em conversa telefônica para a Sputnik Mundo.

    Isabella sofre de uma doença congênita que a obrigou a se submeter a um transplante de fígado, mas seu tratamento está ameaçado pelas sanções americanas contra a Venezuela
    © Foto / Família de Isabella
    Isabella sofre de uma doença congênita que a obrigou a se submeter a um transplante de fígado, mas seu tratamento está ameaçado pelas sanções americanas contra a Venezuela

    "Mas tudo muda desde que a oposição ganha a Assembleia Nacional em 2015 e pede sanções para a Venezuela", disse ele. Em 2015, veio o famoso decreto de Barack Obama declarando a Venezuela uma "ameaça incomum e extraordinária aos Estados Unidos".

    "Agora", diz António, "cada venezuelano só tem cinco classes de remédios por ano. "Imagine, você não recebe nada. A deterioração é brutal. Trabalho em uma Unidade de Saúde Ocupacional e percebo a diferença desde 2015", diz ele. A Venezuela importa todos os medicamentos "importantes": tratamentos de câncer, doenças cardiovasculares, hipertensão, HIV etc.

    Na Venezuela não existem laboratórios tipo 1, ou seja, aqueles que compõem os princípios ativos por meio de matérias-primas. O berço dos medicamentos não pode nascer, por agora, nesta parte das Caraíbas. A Venezuela sempre os importou para laboratórios no exterior através das divisas geradas pela produção de seu petróleo. "Com as moedas bloqueadas", continua o porta-voz do Comitê, "não se pode pagar medicamentos e é por isso que eles não chegam ao país".

    A situação é insustentável e dramática. O Comitê de Vítimas está lutando, organizando protestos, organizando a distribuição dos poucos medicamentos que recebem ou inventam. Douglas, Isabella e sua família continuam seu caminho, por enquanto, graças à solidariedade da Fundação Simón Bolívar e de diferentes movimentos e organizações sociais que os apoiam na Argentina.

    "O Chanceler Arreaza nos disse para resistir", diz Douglas. Resistir — até quando? Douglas não fala de política porque a situação que ele e centenas de outros como ele e sua família enfrentam não é uma questão de chavismo ou antichavismo, de revolução ou marketing político. "O bloqueio não é uma questão política. O bloqueio está contra nós. Com o bloqueio eles nos prejudicam, neste caso minha filha, não Nicolás Maduro ou os funcionários do governo. O que acontecerá se a minha filha perder o órgão?", lamenta Douglas.

    Mais:

    Cientista político: ataque dos EUA contra Venezuela mostra que imperialismo está agonizando
    Venezuela tentou negociar com autoridades dos EUA para evitar invasão de embaixada
    Maduro chama de 'provocação' a invasão de águas da Venezuela por navio dos EUA
    Tags:
    medicamentos, bloqueio, vítimas, sanções, Venezuela, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar