09:43 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Américas
    URL curta
    430
    Nos siga no

    O envolvimento de hackers russos, a investigações do FBI contra Hillary Clinton, os prognósticos errados dos analistas – estas são apenas algumas das “causas” da vitória de Donald Trump, segundo afirma a mídia dos EUA. Na presente análise, cientistas políticos russos explicam por que todas elas são mitos.

    Em 8 de dezembro de 2016, o republicano Donald Trump venceu as eleições presidenciais nos EUA, apesar de todas as pesquisas indicarem sua rival, Hillary Clinton, como futura presidente.

    Os especialistas da empresa russa Minchenko Consulting fizeram uma análise das fontes abertas que têm falado sobre as presidenciais norte-americanas desde 2012 e concluíram que a avaliação imparcial desta campanha virou uma tarefa complicada por haver toda uma série de boatos. Mais que isso, a equipe de cientistas afirma que muitos destes mitos foram divulgados por representantes das próprias equipes dos candidatos.

    "A vitória de um candidato que estava atrás da sua rival no que diz respeito aos recursos, inclusive financeiros, e em confrontação com a máquina burocrática e a mídia mainstream, é uma lição para outros países", ressaltam os autores do relatório "Autópsia da Campanha de Hillary: Como Trump Venceu", citados pela agência russa RIA Novosti.

    Mito № 1: O fracasso das pesquisas

    Nos primeiros dias após a vitória de Trump, que pasmou muitos norte-americanos, a sociedade, de fato, se pôs em pé de guerra contra os sociólogos: nenhum deles conseguiu prognosticar tal resultado. Entretanto, os analistas acreditam que a culpa não foi deles, mas dos especialistas que não queriam que o republicano ocupasse o cargo do presidente.

    "À escala nacional, as pesquisas sociológicas demonstraram um resultado muito mais certo do que nas eleições de 2012. Na época, o ranking médio da RCP [Real Clear Politics, o agregador de enquetes e pesquisas norte-americano] dizia que Obama venceria com a vantagem de 0,7%, porém, ele venceu com 3,9%. Já em 2016, o ranking final da RCP atribuía a Clinton a vantagem de 3,3%, enquanto ela venceu a votação popular superando Trump por 2,08%, é um prognóstico bastante preciso, dentro da margem de erro", diz-se na análise.

    Mito № 2: Baixo comparecimento

    A teoria de que Trump venceu devido à abstenção elevada, teoria que é ativamente divulgada pela mídia norte-americana, também pode ser rebatida com facilidade.

    "A análise do professor Michael McDonald, da Universidade da Flórida, mostrou que o comparecimento nas presidenciais de 2016 foi cerca de 59% do número total dos cidadãos com idade de voto, o que não difere muito das eleições nas últimas décadas", explicam os analistas, ao frisar que em 2012 a taxa de comparecimento foi de 58,6% e em 2000 — de 55,3%.

    Os cientistas políticos também desmentem a ideia de que baixo comparecimento alegadamente teria feito o jogo de Trump.

    "Em alguns estados onde o comparecimento foi maior, Trump venceu com vantagem maior do que o prognosticado. Nos outros estados onde se verificou a queda da taxa de comparecimento, Clinton conseguiu preservar a liderança", sublinha-se no documento.

    Os cientistas realçam que a mídia norte-americana também faz questão de divulgar uma versão de que Clinton não conseguiu a vitória devido ao comparecimento baixo dos afro-americanos. Entretanto, tal ideia também não passa de um simples mito, já que "segundo as pesquisas de boca-de-urna, a taxa de comparecimento desta camada social se mantém ao mesmo nível que em 2012 — com 12% este ano e 13% na época".

    Mito № 3: Hackers russos

    Uma das justificações mais comuns da derrota de Clinton é o suposto envolvimento dos hackers russos. Entretanto, isto pode ser facilmente refutado por uma série de fatos, ressaltam os especialistas.

    "A recontagem dos votos no Wisconsin, de fato, confirmou todos os resultados iniciais e até verificou mais alguns pontos a favor de Trump — ou seja, 131 votos. Foi ressaltado, em especial, que a recontagem confirmou o não envolvimento de hackers nas máquinas eleitorais", dizem os autores do relatório.

    Os especialistas fizeram lembrar-se que o Departamento de Segurança Interna dos EUA tentou aceder ao banco de dados eleitoral do estado da Geórgia, o que "mais uma vez leva a refletir sobre a origem destes hackers".

    "Se os democratas culpam os hackers russos e não a sua estratégia eleitoral ruim da sua derrota de 2016, ficarão extremamente desiludidos em 2020", expressa Frank Luntz, citado pela pesquisa.

    Mito № 4: A arma secreta de Trump

    As acusações do CNN, que afirma Trump teria usado "uma arma política secreta", também são muito exageradas, consideram os cientistas. Trata-se da empresa britânica Cambridge Analytica, à qual Trump, segundo o canal, teria alegadamente pago mais de 5 milhões de dólares para que aquela convencesse os eleitores a votar nele.

    O esquema teria funcionado assim: os funcionários da empresa recolhem informação sobre os potenciais eleitores e adaptam a propaganda ao retrato psicológico que traçaram. A Cambridge Analytica recebe os dados das redes sociais, propondo aos usuários vários testes que aparentemente são simples testes psicológicos.

    "Não é de duvidar que a Cambridge Analytica tenha desempenhado um papel considerável no microtargeting [trabalho com o público-alvo] da campanha eleitoral de Trump [tal como no Brexit]. Porém, esta empresa colaborou com Trump apenas na fase final. Até meados do Verão, Trump não tinha investido no microtargeting, porém, nas primárias superou Ted Cruz, que no momento trabalhava com a Cambridge Analytica, com uma margem considerável. Ao mesmo tempo, desde o primeiro dia da sua campanha e até o dia da eleição, Clinton investiu muito no targeting, nos megadados, tentando superar a campanha de Obama no que diz respeito das inovações tecnológicas. Mas isso não a ajudou", afirmam os pesquisadores.

    Mito № 5: Notícias falsificadas

    Os cientistas políticos frisam: a ideia de que Trump venceu por um "alastramento amplo de 'notícias falsificadas'" e a chegada da época da "pós-verdade" também é completamente falsa.

    "A verdade é que a própria campanha de Clinton usou repetidas vezes falsificações, muitas vezes foi apanhada em flagrante interpretando os fatos à sua maneira e inventando 'notícias'", realçaram.

    Por exemplo, os especialistas fazem lembrar as declarações falsas de Clinton de que ela teria estado "na mira dos snipers" na Bósnia, das histórias sobre sua avó, que supostamente teria sido imigrante, e muitas outras.

    "É difícil dizer ao certo qual foi o papel que as fake news [notícias falsificadas] desempenharam em ambas as campanhas. Mas é impossível negar que ambos os principais candidatos recorreram a elas de vez em quando. De mesma forma, é impossível dizer que neste sentido a campanha de 2016 foi de alguma maneira diferente das anteriores", concluíram os cientistas.

    Mito № 6: Investigação do FBI impediu Clinton de ganhar

    Não há motivo para acreditar que a derrota da democrata possa ter estado ligada à investigação do FBI quanto aos vazamentos da correspondência da ex-secretária de Estado, acham os autores do relatório.

    Ao ocupar o cargo da secretária de Estado, entre 2009 e 2013, Clinton enviava correspondência, tanto pessoal como de trabalho, através de servidores privados. Por isso, foi acusada de abafar informações, ameaçar o sigilo do Estado e permitir os hackers no estrangeiro de efetuar eventuais vazamentos.

    Nos quadros da investigação, Clinton entregou ao Departamento de Estado cerca de 30 mil e-mails do servidor pessoal, mas eliminou outros 30 mil documentos, afirmando que eles tinham caráter privado.

    O chefe do FBI, James Comey, comunicou que não havia motivos para abrir um processo penal contra Clinton, o que foi confirmado pela Procuradora-Geral dos EUA, Loretta Lynch.

    Porém, a investigação foi reiniciada quando faltavam apenas 11 dias para as presidenciais, por terem sido encontrados novos e-mails no servidor do marido da sua assessora. Dois dias antes das eleições, Comey afirmou que o material encontrado não tinha mudado a antiga postura do FBI, o que de fato significou o arquivamento do processo contra Clinton.

    "Estas declarações não se confirmam segundo os dados de muitas enquetes. A vantagem entre Trump e Clinton começou a diminuir antes da declaração de Comey. Tanto mais que, em 5 de julho, Comey discursou frisando que não havia nada de criminoso nos atos de Clinton… Este fato não influiu muito no seu ranking", realça-se no estudo.

    Mais:

    Trump critica apoiantes de Clinton antes da votação do Colégio Eleitoral
    Trump quer persuadir outros países investigar Fundação Clinton
    Trump vence nos EUA, mas perde no Brasil
    Tags:
    recontagem, análise, derrota, hackers, provocação, falsificação, mito, eleições nos EUA, Kremlin, Departamento de Segurança Nacional dos EUA, Casa Branca, FBI, Hillary Clinton, Donald Trump, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar