Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

Arábia Saudita 'não assumirá responsabilidade' por alta nos preços de petróleo, diz reino

© AFP 2022 / Fayez NureldineInstalação petrolífera da Aramco perto da área de Al-Khurj, a sul de Riad, Arábia Saudita
Instalação petrolífera da Aramco perto da área de Al-Khurj, a sul de Riad, Arábia Saudita - Sputnik Brasil, 1920, 22.03.2022
Nos siga noTelegram
Na segunda-feira (21), a Arábia Saudita declarou que "não assumirá nenhuma responsabilidade" pela alta nos preços de petróleo após uma série de ataques a uma refinaria e outras instalações energéticas pelos houthis no dia anterior.
Em comunicado admitindo que os ataques teriam tido "consequências sérias" para os mercados energéticos já perturbados pelo conflito na Ucrânia, o reino exortou a comunidade internacional a confrontar os houthis em prol da salvação dos suprimentos de petróleo mundiais.
"O reino assinala a importância de a comunidade internacional tomar consciência da gravidade do comportamento contínuo do Irã que equipa os militantes terroristas houthis com tecnologias [...] para atingir os locais de produção do reino", diz o comunicado do MRE saudita.
Membros do movimento rebelde houthi atingiram instalações da refinaria Yanbu Aramco Sinopec e outras companhias energéticas com ataques de drones e mísseis no domingo (20), não causando vítimas, mas tendo provocado "redução provisória" na produção, segundo o Ministério da Energia saudita.
Óleo jorra de um jorro do poço original de Edwin Drake, de 1859, que lançou a indústria de petróleo moderna no Drake Well Museum and Park em Titusville, Pensilvânia, EUA, 5 de outubro de 2017 - Sputnik Brasil, 1920, 21.03.2022
Panorama internacional
Caso Ocidente rejeite petróleo russo, preços podem atingir US$ 500 por barril, diz vice-premiê russo
Um ataque como esse representa "uma ameaça direta à segurança das entregas de petróleo nestas circunstâncias extremamente sensíveis sofridas pelos mercados globais de energia", acrescentou o texto.
Mercados de energia globais já responderam com choque e volatilidade ao conflito ucraniano, com preços de gás nos EUA atingindo o recorde histórico de US$ 4,33 por galão neste mês, de acordo com os dados da Associação de Automóveis Americana. O petróleo cru Brent está sendo vendido por US$ 112 por barril, preço inferior aos US$ 140 evidenciados anteriormente neste mês, mas ainda US$ 15 acima do índice antecessor ao início das hostilidades.
As decisões dos EUA e do Reino Unido de bloquear as importações de energia russa também colocaram pressão enorme sobre o mercado. Além disso, Washington instou a OPEP+, liderada pela Arábia Saudita, a extrair mais petróleo, medida que até agora o bloco se rejeitou a cumprir.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала