Membros da comitiva de uma delegação em frente da sede das Nações Unidas durante a 76ª sessão da Assembleia Geral da ONU em Nova York, 21 de setembro de 2021 - Sputnik Brasil, 1920, 09.11.2021
Panorama internacional
Notícias sobre eventos de todo o mundo. Siga informado sobre tudo o que se passa em diferentes regiões do planeta.

EUA darão 'resposta forte' se Rússia destacar mísseis nucleares na América Latina, diz Washington

© Sputnik / Serviço de imprensa do Ministério da Defesa da RússiaTeste do míssil de cruzeiro hipersônico Tsirkon
Teste do míssil de cruzeiro hipersônico Tsirkon - Sputnik Brasil, 1920, 19.01.2022
Nos siga noTelegram
Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA na Organização das Nações Unidas, advertiu: "não deixaremos ser intimidados" por uma eventual "ação agressiva" russa contra Washington.
Washington não será "intimidado" por ponderações "agressivas" russas de transportar equipamento militar ou até mísseis nucleares para países na América Latina, disse na terça-feira (18) Linda Thomas-Greenfield, embaixadora dos EUA nas Nações Unidas.
"Os russos estão tirando todas as palhas da cesta que eles podem tirar para nos intimidar de forma a lhes permitir tomar essa ação. Eles sabem que se tomarem uma ação tão agressiva contra os Estados Unidos eles podem esperar uma resposta, e essa resposta será uma resposta forte", afirmou ela em declarações a um stream do jornal Washington Post.
"Eu sei que eles estão tentando responder de forma a intimidar o mundo, mas não nos deixaremos ser intimidados, nem permitiremos que a Ucrânia seja intimidada para comprometer sua própria segurança", garantiu Thomas-Greenfield.
A embaixadora norte-americana não explicou de que forma um destacamento militar puramente hipotético da Rússia na América Latina seria "agressivo", enquanto a militarização em curso nas fronteiras perto da Rússia pela OTAN e EUA não o é.
Na segunda-feira (17) Dmitry Peskov, porta-voz presidencial russo, em resposta a uma pergunta se a Rússia poderia destacar mísseis para Cuba ou Venezuela, disse que "no contexto da situação atual, a Rússia está pensando em como garantir a sua própria segurança". Antes, na quinta-feira (13), Sergei Ryabkov, vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, não confirmou, mas também não excluiu essa possibilidade.
Um dos bombardeiros estratégicos russos Tu-160 na base aérea de Waterloof, na África do Sul - Sputnik Brasil, 1920, 17.01.2022
Panorama internacional
Kremlin comenta declarações dos EUA sobre implantação de bases militares russas na América Latina
Moscou tem advertido repetidamente que não pode permitir a colocação de armas na Ucrânia, incluindo mísseis que demorariam apenas minutos a chegar à capital russa, e o aproveitamento militar do território ucraniano.
Vladimir Putin, presidente da Rússia, e outros funcionários do governo do país também têm levantado preocupações sobre a construção de instalações de defesa antimísseis dos EUA na Polônia e na Romênia, que poderiam ser facilmente convertidas para disparar mísseis de cruzeiro nucleares Tomahawk sobre uma grande parte do território russo.
Em 17 de dezembro, Moscou publicou um projeto de acordo para reformular a segurança europeia, que propõe o fim da expansão da OTAN para o leste, incluindo para a Ucrânia, e a não colocação de mísseis, armas nucleares ou meios militares na proximidade entre a Rússia e a Aliança Atlântica.
As partes realizaram negociações em Genebra em 9 e 10 de janeiro. No entanto, mesmo antes do início das negociações, os EUA consideraram algumas partes do documento inaceitáveis, enquanto a Rússia sublinhou que este não era um ultimato, mas não aceitaria concessões unilaterais, especialmente sob pressão.
Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала