Especialista: mar do Sul da China está transformando num 'vórtice geopolítico'

© AFP 2022 / ROLEX DELA PENA / POOLIlha Thitu do arquipélago Spratly no Mar do Sul da China
Ilha Thitu do arquipélago Spratly no Mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Nos siga noTelegram
A China acusou os EUA de violação da sua soberania. Contudo, Washington não está pronto para descartar a sua presença na região, disse o especialista russo Vladimir Terekhov.

Boeing P-8A Poseidon da Marinha americana - Sputnik Brasil
Chefe da Flotilha do Pacífico faz voo de espionagem no mar do Sul da China
A China acusou os EUA de violação da soberania chinesa e do direito internacional depois de um destróier norte-americano se aproximar das ilhas Spratly (Nansha), situadas em águas disputadas pela China e outros países.

O Ministério da Defesa chinês apelou aos EUA para porem fim às provocações no mar do Sul da China.

O destróier USS John S. McCain navegou nesta quinta-feira (10) perto do recife de Mischief (Meiji), nas ilhas Spratly (Nansha), realizando "uma operação de manutenção da liberdade de navegação".

O especialista russo Vladimir Terekhov, comentando o assunto para o serviço russo da Rádio Sputnik, deu sua opinião sobre o futuro desenvolvimento da situação.

"A situação pode se transformar gradualmente numa semelhante à que existe na península da Coreia: um agravamento periódico das tensões, possivelmente um confronto direto. A tensão está aumentando. É um processo gradual e o pior é que o mar do Sul da China está se transformando num 'vórtice geopolítico', para onde estão sendo sugados todos os países, independentemente do seu tamanho. Uma situação grave", disse Terekhov.

Ilhas em disputa no mar do Sul da China - Sputnik Brasil
Com chegada do verão, começa nova 'época quente' de tensões no mar do Sul da China
O especialista advertiu sobre a possibilidade de um conflito armado na região.

"Para os EUA é muito difícil descartar a demonstração de presença na região. Desde os anos 1950, foram criados muitos acordos bilaterais. As primeiras tentativas para evitar o cumprimento dos acordos foram demonstradas pelo ex-presidente Barack Obama", explicou Terekhov. Segundo ele, essas tentativas falharam devido aos protestos dos aliados dos EUA na Europa, Japão e outros países.

De acordo com Terekhov, é muito simples entrar numa guerra, mas é muito difícil sair dela. "Todos os que iniciaram as grandes guerras sabiam sobre as possíveis consequências. Mas na história da humanidade há situações em que alguém considera que grandes danos são um efeito inevitável da solução militar de um conflito. Geralmente, o problema não pode ser resolvido através da guerra, mas é praticamente impossível evitá-la", acrescentou o especialista.

Feed de notícias
0
Para participar da discussão
inicie sessão ou cadastre-se
loader
Bate-papos
Заголовок открываемого материала