14:40 13 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)
    144
    Nos siga no

    Os pesquisadores dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) do Reino Unido acreditam que a vacina "tem o potencial de fornecer imunidade humoral durável".

    A vacina da Moderna contra a COVID-19 garante imunidade de pelo menos três meses após a aplicação da segunda dose. É o que aponta um estudo conduzido pelos Institutos Nacionais de Saúde do Reino Unido, publicado na edição desta semana do jornal acadêmico New England Journal of Medicine.

    Os pesquisadores testaram o nível de dois anticorpos nos 34 voluntários do estudo e observaram uma queda leve (e "prevista") na imunidade após 90 dias da aplicação da segunda dose de vacina. Mesmo com a queda, os vacinados apresentaram imunidade maior que pessoas que não se vacinaram e ficaram curadas da COVID-19.

    Como o estudo observou os voluntários ao longo de três meses após a segunda dose, a conclusão do estudo considera este período de tempo. No entanto, os pesquisadores acreditam que a vacina "tem o potencial de fornecer imunidade humoral durável".

    "Nossos resultados fornecem suporte para [...] um estudo de fase 3 em andamento, que recentemente mostrou uma taxa de eficácia de 94,5% em uma análise intermediária", diz a conclusão da pesquisa.

    Nesta semana os primeiros países a anunciar a campanha de vacinação contra a COVID-19 foram conhecidos. Nesta sexta-feira (4), os moradores da capital da Rússia, Moscou, começaram a ter acesso à vacina Sputnik V contra a COVID-19.

    O Reino Unido anunciou o início da vacinação para a segunda semana de dezembro, com o imunizante da Pfizer. O Brasil planeja começar o plano de imunização da população em março.

    Tema:
    Pandemia de COVID-19 no mundo no início de dezembro (93)

    Mais:

    México assina acordo com a Pfizer por 34,4 milhões de doses da vacina contra a COVID-19
    Três ex-presidentes dos EUA querem dar exemplo e receber vacina contra COVID-19 em público
    Vacina CoronaVac pode estar disponível em janeiro, diz diretor do Butantan
    Brasil terá quantidade de vacinas suficientes contra COVID-19, avalia especialista
    Na Espanha, mais da metade da população não quer tomar vacina contra a COVID-19 imediatamente
    Tags:
    pandemia, COVID-19, novo coronavírus, vacina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar