05:23 17 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Brasil
    URL curta
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)
    104
    Nos siga no

    O Ministério da Saúde anunciou nesta terça-feira (1º) que o plano de vacinação terá quatro fases e começará em março, imunizando 109,5 milhões de pessoas em duas doses. 

    De acordo com a pasta, na primeira fase serão imunizados quatro grupos: pessoas acima de 75 anos, profissionais de saúde, pessoas com 60 anos ou mais que vivem em instituições de longa permanência (como asilos e instituições psiquiátricas) e população indígena. 

    Na segunda etapa serão imunizados as pessoas de 60 a 74 anos. Em seguida, as vacinas serão aplicadas em pessoas com comorbidades que apresentam maior chance para agravamento da doença (como portadores de doenças renais crônicas e cardiovasculares)

    Na fase quatro, serão vacinados professores, membros de forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e a população privada de liberdade.

    Plano ainda é 'preliminar'

    "É importante destacar que o plano que está sendo discutido ainda é preliminar e sua validação final vai depender da disponibilidade, licenciamento dos imunizantes e situação epidemiológica de cada região", disse o secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Arnaldo Medeiros, segundo o portal G1.

    O Ministério da Saúde ressaltou que o governo tem garantidas 142,9 milhões de doses de vacinas por meio dos acordos Fiocruz/AstraZeneca (100,4 milhões) e Covax Facility (42,5 milhões).

    O governo de São Paulo, por sua vez, firmou acordo para a compra de 46 milhões de doses da CoronaVac, da farmacêutica chinesa Sinovac, e para a transferência de tecnologia para o Instituto Butantan. O imunizante chinês não foi citado pelo ministério. 

    A pasta informou ainda que, "no mês passado, sediou encontros com representantes dos laboratórios Pfizer e BioNTech, Moderna, Bharat Biotech [Covaxin] e Instituto Gamaleya [Sputnik V], que também possuem vacinas em estágio avançado de pesquisa clínica, para aproximação técnica e logística".

    Vacinas termoestáveis

    Mais cedo, o secretário de Vigilância em Saúde disse que o plano terá como meta a adoção de imunizantes que não precisem de baixíssimas temperaturas de armazenamento, o que inviabilizaria o uso das vacinas da Pfizer e da Moderna.

    O governo não espera conseguir imunizar toda a população no ano de 2021. O início do plano ainda depende da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) aprovar alguma vacina.

    Tema:
    Coronavírus no Brasil no início de dezembro (59)

    Mais:

    Kim Jong-un recebeu vacina chinesa contra coronavírus, segundo especialista dos EUA
    Índia inicia testes clínicos da vacina russa Sputnik V
    Uruguai pode se juntar à lista de países que vão comprar vacina da Rússia
    Tags:
    Pfizer, São Paulo, Instituto Butantan, Sputnik V, Vacina CoronaVac, idosos, Ministério da Saúde, Brasil, COVID-19, novo coronavírus, pandemia, vacinação
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar