02:43 20 Setembro 2020
Ouvir Rádio
    Sociedade
    URL curta
    162
    Nos siga no

    Cientistas da NASA obtêm com ajuda de inteligência artificial informações valiosas sobre trajetória de 11 asteroides massivos, ao passo que choques devastadores com a Terra se tornaram possíveis.

    Desta forma, o uso da inteligência artificial (IA) por parte de um supercomputador da NASA permitiu traçar a trajetória de pelo menos 11 asteroides cujo comprimento supostamente passa dos 100 m.

    O achado veio a público em uma publicação feita na revista Astronomy & Astrophysics neste mês.

    Segundo cientistas, um dos corpos celestes poderia colidir com a Terra a partir de 2131, sendo que a força do impacto teria energia equivalente à explosão de centenas de bombas atômicas.

    De acordo com declaração feita pela Universidade de Leiden, nos Países Baixos, a destruição causada pela colisão poderia ser "sem precedentes na história da humanidade", conforme publicou o tabloide Daily Star.

    Trajetória imprevisível

    O supercomputador da NASA foi importante para analisar as trajetórias, difíceis de serem previstas pelos astrônomos.

    "O fato de tais asteroides não terem sido previamente identificados como potencialmente perigosos é por suas órbitas serem tão caóticas [...] Como resultado, eles não são percebidos pelo software atual das organizações espaciais, o qual se baseia em cálculos de probabilidades que usam simulações de força bruta muito caras", acrescentou a instituição.

    Com a ajuda da inteligência artificial, os cientistas descobriram as trajetórias dos corpos no Sistema Solar nos próximos 10.000 anos.

    Mais:

    Pausa do apocalipse? Asteroide poderia destruir vida humana
    Extinção dos dinossauros pode ter ocorrido antes de Terra ser atingida por asteroide
    Rússia planeja criar base lunar operada por robôs para proteger Terra contra asteroides
    Tags:
    bomba atômica, destruição, Terra, impacto, colisão, asteroide
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar