22:56 25 Fevereiro 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)
    5420
    Nos siga no

    Ministro das Relações Exteriores da Rússia indicou que países europeus têm contactado Moscou e alguns têm demostrado interesse em comprar e produzir a Sputnik V em seus respectivos territórios.

    O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, parabenizou a Rússia pela eficácia da vacina russa Sputnik V contra o novo coronavírus, informou o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov.

    "Ontem [4 de fevereiro] discutimos a questão da Sputnik V com Antony Blinken, ele parabenizou sua eficácia e concordamos em promover contatos entre nossos laboratórios, cientistas e produtores e ver se há possibilidade de colaboração nesta área", declarou nesta sexta-feira (5) Lavrov após reunião com o chefe da diplomacia europeia, Josep Borrell, em Moscou.

    O chanceler russo indicou que países europeus têm contactado Moscou, demonstrando interesse em comprar e produzir a vacina Sputnik V em seus respectivos territórios.

    Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, em reunião com Ara Ayvazyan, homólogo da Armênia, em Erevan, Armênia
    © Sputnik / Ministério das Relações Exteriores da Rússia
    Sergei Lavrov, ministro das Relações Exteriores da Rússia, em reunião

    Em 2 de fevereiro, a renomada revista científica The Lancet exaltou e confirmou eficácia da vacina russa contra a COVID-19, assegurando que a Sputnik V provê proteção aos que a tomam. De acordo com a publicação, a Sputnik V é segura e eficaz, além de assegurar proteção imunológica também para os casos graves da doença.

    Foram necessários meses de pesquisa de imunologistas russos e 19.866 voluntários para completar a terceira fase de testes clínicos, os quais confirmaram eficácia de 91,6%. Adicionalmente, os pesquisadores determinaram que a vacina russa protege 100% dos casos graves da COVID-19.

    A Sputnik V foi registrada na Rússia em 11 de agosto de 2020 e consiste em duas doses aplicadas com intervalo de 21 dias. O primeiro país da Europa a usar a Sputnik V foi a Hungria. A República Tcheca também avalia a possibilidade de usar o medicamento em seu território.

    Tema:
    Situação mundial da COVID-19 no início de fevereiro de 2021 (80)

    Mais:

    Perth, na Austrália, coloca 2 milhões de pessoas em lockdown após 1 caso novo de COVID-19
    Farmacêutica Merck, fabricante da ivermectina, diz que remédio não funciona contra a COVID-19
    Nomeado fator que aumenta risco de morte por COVID-19 em 9 vezes
    Vacina da AstraZeneca contra COVID-19 funciona também para variante do Reino Unido, diz Oxford
    Tags:
    Sputnik V, COVID-19, novo coronavírus, Antony Blinken, Sergei Lavrov, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar