13:24 17 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    0 120
    Nos siga no

    Homem não identificado deixou "soma não muito grande", segundo diretor-geral. A verba será usada em obras nos porões onde os felinos vivem.

    Um filantropo francês, que não teve o nome divulgado, deixou uma soma de dinheiro para alguns beneficiários incomuns em seu testamento: gatos que vivem nos porões do Museu Hermitage, na Rússia, informou a rede de TV a cabo CNN.

    Cerca de 50 gatos moram no famoso museu de São Petersburgo que abriga três milhões de obras de arte, artefatos e esculturas distribuídas por vários edifícios incluindo o Palácio de Inverno.

    A imperatriz Catarina, a Grande, fundadora do Hermitage em 1764, deu aos gatos o status de guardiões das galerias de arte. Os felinos foram alojados para manter os roedores longe das instalações.

    Agora, eles são atendidos por voluntários e pelo pessoal do Museu e apoiados por doações. Segundo o Hermitage, os animais têm sua própria máquina de lavar e os serviços de um veterinário local.

    O diretor-geral do Hermitage, Mikhail Piotrovsky, disse em uma entrevista coletiva no início deste mês que o filantropo francês foi tão carinhoso com os animais que deixou uma "pequena quantia" para eles em seu testamento.

    "Nosso amigo francês fez uma coisa muito boa. Isso é um ato de relações públicas brilhante tanto para os gatos quanto para a caridade. A soma não é muito grande, mas foi muito importante quando a pessoa escreveu um testamento e quando os advogados franceses entraram em contato [conosco]. Tudo isso é muito interessante, não é? Um gesto tão bonito que veio da França", disse ele.

    Os fundos provavelmente serão usados para consertar os porões do Museu onde vivem os gatos, informou Piotrovsky.

    "Acho que os gatos expressarão sua vontade. Nossos colegas são bem versados na comunicação com eles e na compreensão de sua linguagem", acrescentou.

    O benfeitor anônimo não foi a única pessoa a se encantar com os gatos. Segundo Piotrovsky, o ex-presidente da Academia de Ciências da Rússia, Vladimir Fortov, era um "amigo constante" dos felinos do Hermitage. Fortov, que morreu no mês passado, às vezes passava pelo Museu para deixar dinheiro para os animais, disse Piotrovsky.

    Este ano, mais de 800 pessoas enviaram fotografias dos bichanos para o Dia dos Gatos do Hermitage, celebrado a cada dia 28 de março.

    Mais:

    Hermitage entra para o top3 dos melhores museus do mundo
    Hermitage de São Petersburgo apoiará esforços de restauração de Palmira
    Gato dorminhoco leva baita susto ao ser acordado por inesperada visita de cobra (VÍDEO)
    Tags:
    Academia de Ciências da Rússia, São Petersburgo, Museu Hermitage
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar