17:12 06 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Rússia
    URL curta
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)
    3184
    Nos siga no

    Será importante para a Rússia verificar as práticas de certificação de morte pelo novo coronavírus para garantir que tudo foi registrado corretamente, disse o diretor executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Michael Ryan, nesta quarta-feira (10).

    Quando solicitado a comentar os números de fatalidades pela COVID-19 na Rússia, o funcionário da organização demonstrou ter desconfiança a respeito dos dados conhecidos até o momento.

    "A baixa taxa de mortalidade [na Rússia] é difícil de entender no contexto da população e dos sistemas de saúde em toda a região europeia, sendo bastante semelhante em termos de sofisticação e disponibilidade. O perfil etário das pessoas na Rússia não é muito diferente do de outras nações, assim como o perfil de pessoas com condições pré-existentes", afirmou Ryan em entrevista coletiva.

    Oficialmente, a Rússia é o terceiro país com mais infectados pelo novo coronavírus no mundo, com 493.023 casos confirmados, atrás apenas de Estados Unidos (1.988.491) e Brasil (739.503), segundo dados da Universidade Johns Hopkins. O que chama a atenção da comunidade internacional é o baixo número de mortes – 6.358 mortes –, considerando o alto número de infecções.

    Diretor da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, durante entrevista de imprensa em Genebra, na Suíça, 3 de maio de 2020
    © REUTERS / Denis Balibouse
    Diretor-executivo da Organização Mundial da Saúde (OMS), Mike Ryan, durante entrevista de imprensa em Genebra, na Suíça, 3 de maio de 2020

    Para Ryan, é preciso que as autoridades russas confirmem novamente os seus parâmetros para determinar mortes pela COVID-19, e que tais métodos, associados à testagem de pessoas no país, podem ajudar a explicar o que poderia ser visto como uma discrepância suspeita.

    "Mas certamente é possível que seja a maneira pela qual os médicos estão codificando ou classificando as mortes. Não acho que isso tenha sido feito de maneira negativa, não de maneira sistemática. Mas certamente é incomum que o número de mortes em relação ao número de casos confirmados é muito baixo, mas na Rússia eles estão realizando muitos testes", avaliou

    "Será importante que as autoridades russas revejam a maneira como a certificação de óbito é feita para garantir a si mesmas que estão certificando com precisão as mortes da maneira apropriada", acrescentou o funcionário da OMS.

    Além do alto número de infecções e o baixo número de mortes, a Rússia registrou 252.783 recuperações.

    Tema:
    COVID-19 desafia mundo no início de junho (54)

    Mais:

    Acredite se quiser: mulher diz a Bolsonaro que enxofre cura COVID-19 e pede injeção do vírus (VÍDEO)
    Máscaras em 50% da população podem prevenir 2ª onda de COVID-19, de acordo com estudo
    Embaixador chinês: origem da COVID-19 não foi necessariamente na China, mas foi detectada lá antes
    Tags:
    testes, novo coronavírus, COVID-19, saúde, OMS, Europa, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar