18:10 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira de OTAN

    Politólogo americano: aproximação da OTAN às fronteiras russas foi um erro

    © AFP 2018 / GEORGES GOBET
    Rússia
    URL curta
    17261

    A decisão da OTAN de ampliar sua presença no leste e a possível adesão da Ucrânia e Geórgia à aliança militar foi um grande erro do Ocidente, o qual provocou a crise ucraniana e piorou as relações russo-americanas.

    A declaração foi feita pelo professor em Ciência Política da Universidade de Chicago John Mearsheimer na plataforma de debates do Clube Valdai de Discussões Internacionais.

    Na opinião dele, o anúncio de uma eventual inclusão da Ucrânia na OTAN se tornou a "causa profunda" da crise em Donbass.

    "A Rússia nunca permitiria que isso acontecesse. Não sei o que os americanos e países europeus pensavam ao sugerir a ampliação da OTAN através da inclusão da Geórgia e da Ucrânia. Acho que isso foi um grande erro", declarou Mearsheimer.

    Entretanto, o politólogo aponta que antes do início da crise ucraniana em fevereiro de 2014 ninguém no Ocidente falava que a Rússia pretendia invadir o território dos países situados a oeste. Ninguém falava de uma intervenção militar russa na Ucrânia ou nos Países Bálticos.

    Mearsheimer fez lembrar que em 1999 a Polônia, Hungria e a República Tcheca entraram para a Aliança Atlântica, e em 2004 a lista dos países membros da OTAN foi ampliada após a entrada dos Países Bálticos, da Bulgária e Romênia no bloco.

    "Quer dizer, não foi Rússia que começou se movimentando para oeste, foi o Ocidente que começou se movimentando para leste", conclui o politólogo.

    Mais:

    OTAN discutirá instalação de sistemas Iskander no ponto mais ocidental da Rússia
    OTAN desiste de prevenir incidentes com Rússia nos Países Bálticos
    Tags:
    ampliação, aliança militar, erro, adesão, Universidade de Chicago, Clube Valdai, OTAN, Países Bálticos, Romênia, Polônia, Bulgária, Ocidente, Donbass, Ucrânia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik