08:43 19 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Militares ucranianos participam dos exercícios

    Ex-secretário-geral da OTAN defende envio de armas letais para Ucrânia

    © AFP 2018/ YURIY DYACHYSHYN
    Mundo
    URL curta
    128

    Os EUA devem enviar armas letais para a Ucrânia, se a situação no leste do país continuar instável, disse à Sputnik o ex-secretário-geral da OTAN e conselheiro do presidente ucraniano, Anders Fogh Rasmussen.

    "Se a Rússia continua desestabilizando o leste da Ucrânia, então está na hora de considerar a possibilidade de fornecer armas letais de defesa para a Ucrânia, para que o país possa se defender melhor", disse Rasmussen.

    A Câmara dos Representantes do Congresso dos EUA aprovou por unanimidade, em 21 de setembro, um projeto de lei que autoriza a Administração a impor sanções adicionais contra a Rússia e a fornecer armas letais para Ucrânia.

    Para entrar em vigor, o projeto de lei deve ser aprovado pelo Senado e assinado pelo presidente.

    Bandeiras da Ucrânia e da OTAN
    © Sputnik/ Mikhail Markiv
    Em abril de 2014, a Ucrânia iniciou uma operação militar contra as autoproclamadas repúblicas populares de Donetsk e Lugansk, que declararam independência em resposta ao golpe de Estado, ocorrido em Kiev em fevereiro do mesmo ano.

    As hostilidades já deixaram mais de 9.600 mortos e mais de 22.400 feridos, segundo dados da ONU.

    Apesar de vários acordos de cessar-fogo, último dos quais entrou em vigor no dia 15 de setembro, as partes violam a trégua diariamente.

    A Rússia nega, de modo reiterado, o envolvimento no conflito no país vizinho e manifesta esperanças de que a Ucrânia supere esta crise.

    Mais:

    Congresso dos EUA aprova fornecimento de armas letais para Ucrânia
    Ucrânia vai receber bilhão de dólares dos EUA
    Ucrânia indignada pela comparação com atriz de pornô
    Ucrânia e EUA firmam acordo de cooperação militar
    Tags:
    armas letais, OTAN, Anders Fogh Rasmussen, Donbass, EUA, Ucrânia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik