02:03 25 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4230
    Nos siga no

    Mohammad Eslami, chefe da Organização de Energia Atômica do Irã (AEOI, na sigla em inglês), afirmou no sábado (9) que a República Islâmica acumulou mais de 120 quilos de urânio enriquecido a 20%.

    "Passamos dos 120 quilos [...] Temos mais do que esse número", disse ele em uma entrevista à televisão estatal.

    Eslami acrescentou ainda que o povo iraniano sabe "bem que [as potências ocidentais] deveriam nos dar [ao Irã] combustível enriquecido a 20% para usar no reator de Teerã, mas não o fizeram [...] se nossos colegas não o fazem, naturalmente, teríamos problemas com a falta de combustível para o reator", explicou.

    As observações de Mohammad Eslami chegam após ele reiterar, em entrevista exclusiva à Sputnik na semana passada, que o programa nuclear do Irã é "exclusivamente pacífico" e que Teerã enriquecerá urânio "de forma a evitar a passagem do nível permissível".

    O valor limite do enriquecimento de urânio para fins militares, incluindo a criação de armas nucleares, é de 90%. Em abril, o então presidente Hassan Rouhani afirmou que a nação persa era capaz de levar o nível de enriquecimento de urânio a essa porcentagem, mas não com o objetivo de obter uma bomba nuclear.

    Em dezembro de 2020, o parlamento iraniano aprovou um projeto de lei que obrigava o governo a refinar urânio a até pelo menos 20% de pureza, caso as sanções econômicas dos EUA não fossem levantadas. O documento estipula que o Irã deve produzir por ano 120 quilos de urânio enriquecido a 20%, bem acima do limite de 3,67% estipulado no acordo nuclear iraniano de 2015, também conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês), do qual os EUA se retiraram unilateralmente em 2018.

    Mais:

    EUA não descartam 'outras opções' caso diálogo com Irã fracasse
    China eleva furtividade de submarinos nucleares com táticas 'ilusórias' para confundir inimigos
    Primeiro presidente do Irã, Abolhassan Banisadr morre aos 88 anos em Paris
    Tags:
    Irã, Teerã, urânio enriquecido, acordo nuclear, JCPOA, sanções, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar