23:31 22 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5412
    Nos siga no

    Os EUA não têm um histórico positivo no seu tratamento dos curdos no Oriente Médio, que não mudou com o novo presidente Joe Biden, pelo que eles devem se apoiar no Irã e na Rússia, segundo um analista político.

    Com a retirada a partir de 2022 da maioria dos militares norte-americanos do Iraque, muitos curdos se sentem expostos, mas Hiwa Osman, analista político residente na cidade iraquiana de Arbil e ex-conselheiro de Jalal Talabani, um político curdo que foi presidente do Iraque de 2006 a 2014, diz à Sputnik não estar surpreendido com a ação, dada a "pobre história" de os EUA maltratarem seus aliados.

    "Eles sempre disseram que não deixariam os curdos, mas a história nos ensinou que sempre o fizeram." Na opinião dele, a saída dos EUA não transformará o Iraque em outro Afeganistão, mas o Iraque ficará "fragmentado e dividido".

    Alguns dos problemas enfrentados pelos curdos incluíram tentativas do Irã e da Turquia de arrancar alguns territórios dos curdos, a falta de acordo com Bagdá sobre as receitas do petróleo e as terras disputadas e o envolvimento das forças curdas peshmerga nas forças militares iraquianas.

    Muitos curdos depositavam esperanças em Joe Biden, presidente dos EUA, ao contrário de Donald Trump (2017-2021), que foi visto como os tendo usado durante sua presidência. Apesar disso, a saída militar dos EUA deixou clara a política da administração do atual presidente norte-americano.

    "O sul cairá nas mãos do Irã. No norte, onde estão os curdos, haverá uma tomada do poder pelos turcos, enquanto no centro, onde reside a maioria dos sunitas, haverá uma guerra civil", acredita Osman.

    Isso aconteceu em 1975, quando, após o tratado fronteiriço Irã-Iraque, os curdos foram atacados por Saddam Hussein, então líder do Iraque, enquanto os norte-americanos, que inicialmente pareciam ter apoiado o líder curdo Masoud Barzani, não tomaram ações.

    Nos anos 1980, os curdos sofreram um revés semelhante, quando se juntaram aos guardas revolucionários iranianos na guerra Irã-Iraque. Quando as hostilidades chegaram ao fim, Hussein tornou-se ainda mais impiedoso para com a minoria étnica que havia cooperado com seu inimigo. Washington, mais uma vez, preferiu não interferir.

    "Eles também deixaram os curdos da Síria", diz Osman, referindo-se à retirada de tropas dos EUA em 2019 do país governado pelo presidente Bashar al-Assad e à recusa de confrontar a Turquia por sua decisão de transferir tropas e forças aliadas para áreas controladas pelos curdos.

    "Não se pode confiar neles, e esta é a razão pela qual os curdos deveriam estar procurando alternativas", afirmou.

    Alternativas a Washington

    Irã poderia ser uma das alternativas, crê Osman, com os curdos tendo garantido em 2018 a Teerã que não permitiriam que qualquer grupo curdo da oposição lançasse ataques transfronteiriços desde o Curdistão iraquiano, algo que aproximou os dois lados. Além disso, o Curdistão oriental fez uma série de nomeações que indicavam que estavam buscando laços mais estreitos com a República Islâmica do Irã.

    Também houve tentativas de aproximação com a Rússia. Em 2020, Moscou se certificou de envolver os curdos nas negociações com o presidente sírio Assad, enquanto Vladimir Putin, presidente da Rússia, reiterou a importância das forças curdas peshmerga iraquianas em sua luta contra o Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países).

    "Para os curdos, faz todo o sentido alinharem-se com países como o Irã e a Rússia. Esses se mantêm com seus aliados até a última bala. Portanto, se eu fosse um tomador de decisões e precisasse escolher entre Washington e Moscou, eu certamente avançaria para esta última", conclui Osman.

    Atualmente há cerca de 2.500 militares dos EUA no Iraque com o objetivo de combater os restos do Daesh e outros grupos terroristas. É esperado que no próximo ano restem poucas tropas, e que elas treinem e aconselhem os militares iraquianos.

    Mais:

    Turquia elimina 2 militantes curdos durante ataque aéreo no Iraque (VÍDEO)
    'É uma piada': Erdogan acusa EUA de apoiarem 'terroristas' curdos no Iraque (VÍDEO)
    EUA estariam construindo nova base militar na parte controlada pelos curdos na Síria
    Rússia: EUA tentam fomentar separatismo curdo na Síria
    Tags:
    EUA, Iraque, Síria, Irã, Rússia, Daesh, Peshmerga, Curdistão, Curdistão iraquiano, Masoud Barzani, Joe Biden, Donald Trump, Erbil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar