12:53 05 Agosto 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    186
    Nos siga no

    Em novembro de 2020, o primeiro-ministro etíope enviou tropas para derrubar a liderança regional dissidente e prometeu uma vitória rápida, mas os combates intensos persistem em toda a região.

    O governo da Etiópia declarou nesta segunda-feira (28) um "cessar-fogo unilateral" na região de Tigré, devastada pela guerra, enquanto rebeldes entraram na capital regional, Mekele, dando início a celebrações nas ruas, informa a agência AFP.

    "Um cessar-fogo incondicional e unilateral foi declarado a partir de hoje, 28 de junho", lê-se no comunicado que a mídia teve acesso.

    A dramática reversão para as forças do primeiro-ministro Abiy Ahmed Ali sinaliza uma virada no conflito de quase oito meses na região, que a Organização das Nações Unidas (ONU) diz ter levado 350.000 pessoas à beira da fome.

    Os rebeldes, que se autodenominam Forças de Defesa de Tigré (TDF, na sigla em inglês), marcharam para Mekele, onde os residentes dançaram enquanto as autoridades locais fugiam da cidade.

    "A TDF assumiu o controle da cidade [...]. Eles entraram. A cidade está comemorando. Todo mundo está dançando lá fora", afirmou um funcionário do governo interino para a mídia.

    Refugiados etíopes deixam região de Tigré com seus pertences e partem rumo ao Sudão
    © REUTERS / Mohamed Nureldin Abdallah
    Refugiados etíopes deixam região de Tigré com seus pertences e partem rumo ao Sudão

    Conflito em Tigré

    A guerra possui causas que são consequência da estrutura política da Etópia, de acordo com especialistas. De 1991 a 2019, a Etiópia foi governada pela coalizão Frente Democrática Revolucionária dos Povos Etíopes (FDRPE), onde cada partido representava diferentes grupos étnicos. Tradicionalmente, a Frente Popular para a Libertação de Tigré (FPLT) tinha o papel de líder na coalizão.

    Com a chegada de Abiy Ahmed ao poder, em 2018, o primeiro-ministro alterou a composição do governo, extinguindo a FDRPE. O FPLT, todavia, não concordou e ocorreu então uma divisão entre Tigré e o restante do governo da Etiópia.

    Em novembro de 2020, Abiy Ahmed enviou tropas para derrubar a liderança regional dissidente. O primeiro-ministro prometeu uma vitória rápida e as tropas federais assumiram o controle de Mekele no final de novembro. Mas os combates intensos persistem em toda a região em meio a relatos crescentes de massacres e violência sexual generalizada, reporta a mídia.

    Semana passada os rebeldes lançaram uma grande ofensiva, coincidindo com as aguardadas eleições nacionais da Etiópia, em 21 de junho.

    Mais:

    EUA acusam Irã de planejar ataque à embaixada dos Emirados Árabes Unidos na Etiópia
    Biden discute crise na região de Tigré, na Etiópia, com o líder queniano
    Etiópia e ONU investigarão violações de direitos humanos em Tigré
    Etiópia afirma que Eritreia concordou em retirar suas tropas de Tigré
    Tags:
    Etiópia, guerra, guerra, conflito, conflito, governo
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar