07:26 14 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3510
    Nos siga no

    Abu Ubaydah Yusuf al-Anabi, líder da Al-Qaeda (organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países) desde novembro de 2020, é procurado por Washington.

    O governo norte-americano ofereceu uma recompensa por informações sobre Abu Ubaydah Yusuf al-Anabi, líder da Al-Qaeda no Magreb Islâmico (AQIL, na sigla em inglês, organização terrorista, proibida na Rússia e em vários outros países), disse o Departamento de Estado dos EUA em uma declaração nesta quarta-feira (2).

    "O programa Recompensas para a Justiça do Departamento de Estado dos EUA, que é administrado pelo Serviço de Segurança Diplomática, está oferecendo uma recompensa de US$ 7 milhões [aproximadamente R$ 35,6 milhões] por informações que levem à localização ou identificação de Abu Ubaydah Yusuf al-Anabi", disse o comunicado.

    Al-Anabi, um cidadão argelino, também conhecido como Yazid Mubarak, tornou-se o novo líder da organização em novembro de 2020, depois que seu predecessor Abdelmalek Droukdel foi morto em junho daquele ano, observou o Departamento de Estado.

    "Al-Anabi prometeu em nome da AQIM fidelidade a Ayman al-Zawahiri, líder da Al-Qaeda, e espera-se que desempenhe um papel na gestão global da Al-Qaeda, como Droukdel havia feito", acrescentou a declaração.

    O Departamento de Estado dos EUA designou al-Anabi como Terrorista Global Especialmente Designado (SDGT, na sigla em inglês) em 2015. Em fevereiro de 2016, ele foi colocado na lista de sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas, sob a Resolução 1267.

    Mais:

    Ex-secretário diz que Biden foi o único a não apoiar 'ação imediata' contra Osama bin Laden em 2011
    Ex-enviado de Trump a Damasco chama de 'trunfo' para EUA a presença da Al-Qaeda na Síria
    Pompeo acusará Irã de conexão com Al-Qaeda, diz mídia
    Tags:
    Magreb, EUA, Al-Qaeda, Departamento de Justiça dos EUA, Departamento de Justiça
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar