18:35 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 12
    Nos siga no

    As explosões que atingiram neste domingo (7) a cidade de Bata, na Guiné Equatorial, deixaram ao menos 17 mortos e cerca de 420 feridos, segundo informaram autoridades locais.

    Os números fazem parte de um balanço divulgado pelo Ministério da Saúde e do Bem-Estar Social do país africano. 

    ​Dados da emergência sanitária em Bata: 70 feridos no Hospital la Paz, 150 feridos no Hospital Geral de Bata e 200 feridos no Hospital Nuevo Inseso. Número oficial de falecidos: 17 falecidos registrados até o momento em hospitais.

    Uma série de explosões sacudiu a cidade portuária de Bata nesta tarde, destruindo prédios, casas e outras estruturas.  

    Por meio de um comunicado, o presidente Teodoro Obiang Nguema Mbasogo culpou a "negligência" e o "descuido da Unidade Responsável pelo Cuidado e Proteção dos Depósitos de Dinamite e Explosivos anexados às munições do Quartel Militar de Nkoatama, que se incendiaram com a queima das fazendas do entorno pelos vizinhos, inclusive explodindo os depósitos de dinamites, explosivos e, posteriormente, munições". 

    O chefe de Estado fez um apelo à comunidade internacional pedindo ajuda para lidar com os estragos ocorridos no país, citando problemas econômicos desencadeados pela queda nos preços do petróleo e pela pandemia da COVID-19.

    "Por isso, expresso as minhas mais profundas condolências e consternação às famílias que perderam os seus entes queridos e sofreram perdas materiais, às quais transmito também todo o meu apoio e solidariedade, enquanto desejo aos feridos uma rápida recuperação", disse ele.

    Mais:

    VÍDEOS mostram curto-circuito em rede de energia e explosões em Macapá
    Explosões são registradas em refinaria da PEMEX no norte do México
    Explosões são relatadas nas proximidades da cidade de Aleppo, Síria (VÍDEOS, FOTOS)
    Tags:
    explosivos, munições, África, porto, explosão, Guiné Equatorial, Guiné
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar