03:38 12 Maio 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    508
    Nos siga no

    O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, afirmou que o governo israelense está trabalhando para evitar que centenas de cidadãos sejam investigados por crimes de guerra pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

    No mês passado, uma câmara de pré-julgamento do TPI determinou que o tribunal tem jurisdição para abrir investigações criminais contra israelenses e palestinos por possíveis crimes de guerra cometidos na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e em Jerusalém Oriental, decisão rejeitada por Tel Aviv. 

    O tribunal afirmou que poderia investigar o conflito de 2014 em Gaza, quando Benny Gantz era chefe do Estado-Maior Geral das Forças de Defesa de Israel. 

    ​Em declarações à agência Reuters na última terça-feira (2), o ministro afirmou que ele e outras centenas de israelenses correm o risco de ser presos se o TPI abrir uma investigação contra eles, o que considera um "acontecimento negativo".

    "Temos nossas próprias equipes trabalhando em diferentes lugares para tentar influenciar [o TPI]", disse. Segundo ele, Israel fornecerá assistência jurídica a qualquer israelense implicado e dará a eles avisos legais sobre viagens, se necessário, para evitar maiores problemas.

    Mais:

    Israel planeja desenvolver 'acordo especial de segurança' com Estados do golfo Pérsico, diz ministro
    Em Haia, ex-presidente do Kosovo se declara inocente das acusações de crimes de guerra
    Austrália começa a demitir soldados na sequência do inquérito sobre crimes de guerra no Afeganistão
    Tags:
    jurisdição, Reuters, Tel Aviv, investigação, crimes de guerra, Benny Gantz, Tribunal Penal Internacional (TPI), palestinos, israelenses, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar