08:51 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Ásia e Oceania
    URL curta
    344
    Nos siga no

    O militar foi encontrado sem vida no complexo de Russell, na capital australiana, Camberra, um mês após o maior escândalo da história militar do país.

    O oficial de inteligência australiano foi encontrado morto no parque de estacionamento da base militar em dezembro do mês passado e, supostamente, teria consigo um disco rígido criptografado, uma vez que alegadamente planejava divulgar informações classificadas sobre a má conduta das tropas australianas no Afeganistão, de acordo com o Daily Mail.

    Segundo a polícia, a morte não tem causa suspeita, tendo o militar, aparentemente, cometido suicídio.

    Soldados australianos e afegãos patrulham região do vale de Mirabad, no Afeganistão
    Soldados australianos e afegãos patrulham região do vale de Mirabad, no Afeganistão

     

    "É sabido que o oficial de inteligência ia fazer com que a informação fosse tornada pública, porque o relatório de Brereton é uma caça às bruxas unilateral errada contra o SAS [forças especiais australianas] para tentar apaziguar os afegãos", disse a fonte ao jornal.

    Segundo ela, a informação no disco rígido "mudaria muito a opinião pública sobre o que se passou no Afeganistão", se fosse publicada após o relatório de Brereton ter chegado às manchetes em novembro de 2020.

    O relatório foi produzido pelo juiz do Supremo Tribunal de Nova Gales e pelo major-general do Exército de Reserva Paul Brereton, sugerindo que 25 militares australianos estariam envolvidos em alegados assassinatos de civis e prisioneiros no Afeganistão, entre os anos de 2005 e 2016.

    Mais:

    Austrália diz que negociações continuarão com Facebook sobre publicação de notícias na rede social
    'Austrália precisa dar o primeiro passo', diz especialista sobre crise com a China
    Ataque contra comboio da ONU deixa 5 militares mortos no Afeganistão, segundo mídia
    Tags:
    informação, crimes de guerra, Guerra do Afeganistão, Afeganistão, Austrália
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar