18:41 16 Abril 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    232
    Nos siga no

    O presidente Joe Biden disse ao rei da Arábia Saudita que trabalharia por laços bilaterais "fortes e transparentes", antes do lançamento do relatório sobre o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

    O relatório da inteligência dos EUA é uma versão desclassificada de uma avaliação ultrassecreta que fontes dizem que aponta o filho do rei Salman bin Abdulaziz Al Saud, de 85 anos, o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman, como mandante do assassinato de Khashoggi no consulado saudita em Istambul, na Turquia, segundo publicou a Reuters.

    A Arábia Saudita nega que o príncipe herdeiro, de 35 anos, governante de fato do reino, tenha aprovado o assassinato.

    Rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, discursa durante encontro de líderes do G20, realizado por videoconferência a partir de Riad, Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020
    © Foto / Serviço de Imprensa G20 2020
    Rei da Arábia Saudita, Salman bin Abdulaziz Al Saud, discursa durante encontro de líderes do G20, realizado por videoconferência a partir de Riad, Arábia Saudita, 21 de novembro de 2020

    Biden e Salman discutiram a segurança regional e outras questões e o novo presidente dos EUA disse ao monarca saudita que "ele trabalharia para tornar a relação bilateral o mais forte e transparente possível", segundo a Casa Branca.

    "Os dois líderes afirmaram a natureza histórica do relacionamento", afirmou a Casa Branca em comunicado. Não mencionou o relatório Khashoggi, um teste para os laços estreitos de décadas entre os aliados, enquanto tentam trabalhar juntos para enfrentar a crescente influência iraniana no Oriente Médio.

    Biden disse posteriormente a repórteres que o telefonema, o primeiro desde que assumiu o cargo no mês passado, foi "bom".

    Uma declaração da agência de notícias saudita também expressou um tom positivo, segundo a qual Salman parabenizou Biden por assumir a presidência dos EUA, e que os dois enfatizaram "a profundidade" dos laços bilaterais e a "importância de fortalecer a parceria".

    Presidente eleito dos EUA, Joe Biden com esposa Jill durante o juramento, 20 de janeiro de 2021
    © Sputnik / Stringer
    Presidente eleito dos EUA, Joe Biden com esposa Jill durante o juramento, 20 de janeiro de 2021

    O comunicado, que também não mencionou o relatório Khashoggi, disse que os líderes analisaram a "desestabilização" das atividades regionais iranianas, o "compromisso dos EUA de defender a Arábia Saudita "contra tais ameaças" e uma garantia de Biden de não permitir que o Irã "possua armas nucleares".

    Khashoggi foi atraído para o consulado saudita em Istambul no dia 2 de outubro de 2018 e morto por uma equipe de agentes sauditas ligados ao príncipe herdeiro. Eles desmembraram seu corpo, que nunca foi encontrado.

    A Arábia Saudita chamou a morte de Khashoggi de uma operação de extradição "desonesta" que deu errado, mas negou que o príncipe herdeiro estivesse envolvido.

    Mais:

    'Arábia Saudita não conseguiu vencer seus inimigos no campo de batalha', diz especialista
    EUA buscam bases militares substitutas em caso de tensões com o Irã na Arábia Saudita, diz mídia
    Famílias das vítimas de ataque à Base Aeronaval na Flórida processam Arábia Saudita
    Tags:
    diplomacia, inteligência, relações exteriores, EUA, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar