02:44 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)
    310
    Nos siga no

    Neste 27 de janeiro, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, o governo de Israel revelou que 900 sobreviventes do genocídio nazista morreram em 2020 em consequência da COVID-19.

    De acordo com informações do jornal Times of Israel, 76 anos após o fim da Segunda Guerra Mundial, vivem em Israel mais de 179 mil sobreviventes do Holocausto. Sabe-se que cerca de 3.500 sobreviventes do extermínio contraíram o coronavírus, o que significa que a taxa de mortalidade relatada entre os sobreviventes foi de 17%. 

    Israel define como "sobrevivente" qualquer pessoa "exposta" ao regime nazista, incluindo aqueles que viveram em países conquistados pela Alemanha nazista ou estiveram sob influência nazista direta entre 1933 e 1945, bem como refugiados que fugiram dessas áreas devido ao regime de Adolf Hitler.

    O relatório sustenta que no final de 2020, haviam 179.600 pessoas definidas como sobreviventes do Holocausto vivendo em Israel. Outras 3.000 pessoas foram reconhecidas como sobreviventes em 2020, enquanto 17.000 morreram, incluindo as 900 vítimas do vírus.

    Os sobreviventes de hoje têm mais de 75 anos (a Segunda Guerra Mundial terminou há 76 anos), e cerca de 17% deles têm mais de 90 anos.

    Joseph Zalman Kleinman, 92, sobrevivente do Holocausto, gesticula para o braço que prefere receber a segunda dose da vacina Pfizer para COVID-19, no centro de vacinação Clalit Health Services em uma arena esportiva em Jerusalém, quinta-feira, 21 de janeiro 2021.
    © AP Photo / Maya Alleruzzo
    Joseph Zalman Kleinman, 92, sobrevivente do Holocausto, gesticula para o braço que prefere receber a segunda dose da vacina Pfizer para COVID-19, no centro de vacinação Clalit Health Services em uma arena esportiva em Jerusalém, quinta-feira, 21 de janeiro 2021

    Genocídio de 17 milhões de pessoas

    O Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto lembra o genocídio, pelo regime nazista, de seis milhões de judeus e 11 milhões de pessoas de outros grupos, como ciganos, deficientes físicos e mentais, homossexuais e presos políticos. Ele foi criado pela ONU em 2005 e é celebrado desde 2006 no mesmo dia, 27 de janeiro, que marca a liberação do infame campo de concentração de Auschwitz.

    Este ano, por causa da pandemia de coronavírus, a data será lembrada sem grandes eventos ou aglomerações. Em Israel, o Museu do Holocausto Yad Vashem, em Jerusalém, adaptou sua programação com transmissões ao vivo de cerimônias solenes pelas redes sociais.

    A Confederação Israelita do Brasil promoverá nesta quarta-feira (27) um ato solene que será transmitido on-line com a presença de sobreviventes do Holocausto. A transmissão contará com as participações de Efraim Zuroff, do Centro Simon Wiesenthal, e do ator Dan Stulbach, entre outros. Já o Museu do Holocausto de Curitiba prevê a exibição on-line do documentário "Zelda", de Michel Gawendo, no domingo (31).

    Judeus durante holocausto, Varsóvia, 19 de abril, 1943
    © AP Photo / Fpto de arquivo
    Judeus durante holocausto, Varsóvia, 19 de abril, 1943

    Tema:
    Mundo vs. COVID-19 no final de janeiro de 2021 (110)

    Mais:

    General de Israel afirma que militares estão renovando os planos operacionais contra o Irã
    Biden endossa solução de 2 Estados, mas mantém 'apoio firme' a Israel, diz embaixador dos EUA
    'Guerra psicológica': Irã rejeita ameaça militar de Israel e diz que não pretende entrar em conflito
    Tags:
    neonazismo, nazismo, sobreviventes, israel, Dia Internacional em Memória das Vítimas do Holocausto, Holocausto, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar