02:56 09 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    242260
    Nos siga no

    Chefe do Estado-Maior das Forças de Defesa de Israel (FDI) pediu para que militares do país desenvolvessem pelo menos três propostas de ação contra o programa nuclear iraniano.

    Dentre as propostas estaria uma opção de ataque militar, o que exigiria um grande investimento orçamentário ao Ministério da Defesa de Israel.

    A notícia, publicada pelo jornal israelense Hayom, aponta que o pedido do chefe do Estado-Maior das FDI, Aviv Kohavi, se deu logo após o Irã anunciar ao mundo na semana passada que iniciou processo de enriquecimento de urânio a 20%, o que vai além do limite estabelecido de 3,67% pelo acordo nuclear com o país persa de 2015.

    É válido ressaltar que armas nucleares necessitam de urânio enriquecido a partir de 90%.

    Da mesma forma, nesta semana o especialista em segurança nacional e membro do parlamento israelense Tzachi Hanegbi ameaçou o Irã, dizendo que seu país poderia lançar um ataque contra o programa nuclear caso os EUA voltem ao acordo abandonado por Trump em 2018, publicou o jornal The Times of Israel citando matéria do portal Kan.

    Por sua vez, o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, já indicou disposição para retomar o acordo.

    "Se o governo dos EUA entrar de novo no acordo nuclear, e isso parece ser a política anunciada agora, o resultado prático será que Israel estará novamente sozinho contra o Irã, o qual com o fim do acordo receberá sinal verde do mundo, inclusive dos EUA, para continuar com seu programa de armas nucleares [...] Obviamente que não permitiremos isso", disse Hanegbi.

    Hanegbi fez conexão dos planos israelenses com operações já realizadas no passado.

    "Nós já fizemos o que tinha que ser feito por duas vezes, em 1981 contra o programa nuclear iraquiano e em 2007 contra o programa nuclear sírio", acrescentou.

    Ataque contra reator nuclear iraquiano

    Em 7 de junho de 1981, em uma perigosa operação aérea, caças F-16 israelenses bombardearam um reator nuclear iraquiano construído com a ajuda da França pelo ex-presidente Saddam Hussein no Centro de Pesquisa Nuclear de Al-Tuwaitha.

    Na ocasião, Israel temia que o Iraque viesse a produzir armas nucleares e as usasse contra sua população, de forma semelhante ao ocorrido durante a Guerra do Golfo, quando o Iraque lançou mísseis Scud contra Israel.

    A ação, chamada de Operação Ópera, foi realizada de surpresa e sob autorização do então premiê israelense Menachem Begin. Por sua vez, o Conselho de Segurança da ONU condenou a ação.

    Mais:

    Coreia do Sul pede ajuda ao Qatar para recuperar navio apreendido pelo Irã
    Irã lança mísseis de cruzeiro antinavio durante exercícios militares (VÍDEOS)
    Embaixador do Irã: EUA usaram redes sociais para censurar homenagens ao general Soleimani
    Tags:
    tensão, Israel, Irã, programa nuclear iraniano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar