07:56 01 Março 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    157
    Nos siga no

    Os casamentos entre judeus e árabes já são vistos como problemáticos em um país, onde o conflito israelense-palestino afeta todos os aspectos da vida diária. Por essa razão, há uma organização que visa ajudar aqueles que "se perderam".

    Em 2017, Noy Shitrit, uma jovem judia do sul de Israel, se converteu ao islamismo e se casou com um árabe israelense. Esta história chocou boa parte do país.

    O público israelense, normalmente, não vê esses acontecimentos sob uma perspectiva positiva, devido ao antigo conflito israelense-palestino, ao sangue derramado ao longo dos anos, e ao incitamento mútuo. Com esse conhecimento, as massas se esforçaram para entender o que poderia ter empurrado uma mulher judia aos braços do "inimigo".

    A Sputnik Internacional entrou em contato com representantes da organização que presta ajuda às mulheres nessa questão a retornarem "às suas raízes".

    Antecedentes problemáticos

    Ajudar essas mulheres "que se perderam" foi uma das razões pelas quais, em 2005, Anat Gopstein e seu marido fundaram a Lehava, uma organização que visa acabar com a assimilação de judeus em Israel.

    "Muitas dessas jovens [que acabam se convertendo] vêm de origens problemáticas. Algumas são atraídas pela atenção que o homem dá a elas, outras ficam hipnotizadas pelos presentes que eles compram. Esses relacionamentos sempre começam com um 'uau', mas [quase] todos terminam com problemas."
    Manifestantes palestinos entram em confronto com soldados israelenses em Hebrom, na Cisjordânia
    © REUTERS / Mussa Qawasma
    Manifestantes palestinos entram em confronto com soldados israelenses em Hebrom, na Cisjordânia

    Embora muitos em Israel considerem a Lehava um movimento de extrema direita, acusando seus integrantes de incitamento e até de terror, Anat diz que "a hipocrisia dos jogos políticos" não a impedirá de continuar com suas atividades. Além de ajudar os convertidos a encontrarem um caminho de volta ao judaísmo, a organização também é conhecida por ajudar jovens de origens problemáticas a se integrarem à sociedade. Eles também ajudam as mulheres que sofreram abuso físico ou social a retornarem para uma vida normal.

    'Ameaça' de assimilação

    Atualmente, Anat afirma que recebe cinco pedidos de ajuda por dia. Alguns vêm de mulheres que se converteram e querem encontrar uma saída. Outros são enviados por familiares ou conhecidos que sabem sobre relacionamentos abusivos e querem ajudá-las a resolver o problema.

    "É difícil dar números oficiais, mas sabemos que os casos de conversão estão aumentando, simplesmente porque o processo de assimilação em Israel também está aumentando."

    Contudo, as palavras de Anat são apoiadas por estatísticas. Em 2003, por exemplo, números oficiais sugeriam que apenas 40 judeus israelenses se converteram ao islamismo. Já em 2006 esse número quase dobrou, com o país registrando 70 desses casos. Desde então, essa tendência não para de crescer. Entre 2005 e 2007, 250 israelenses se converteram oficialmente ao islamismo, sendo muitos deles mulheres.
    Garotos em um prédio residencial atingido por mísseis israelenses na Faixa de Gaza
    © Sputnik / Ahmed Abed
    Garotos em um prédio residencial atingido por mísseis israelenses na Faixa de Gaza

    "O que funciona é que as mulheres acabam se convertendo porque se casam com homens muçulmanos, e isso é um problema para nós visto que [...] tiram nossas mulheres do judaísmo". Da mesma forma, a assimilação religiosa também tem efeitos negativos para os frutos desses casamentos.

    "[Por viverem com seus pais árabes] as crianças vão acabar se casando com árabes quando crescerem, e isso significa que vão abandonar o judaísmo. Mas, mesmo que deixemos isso de lado, pense nesses filhos. Eles nascem e são criados por duas sociedades em conflito, e muitas vezes são indesejados por qualquer uma delas", sendo este também outro fator que leva a organização Lehava a ajudar às pessoas convertidas que desejam retornar à sua fé original.

    Em contraste, as tradições judaicas são menos rígidas a esse respeito. De acordo com o judaísmo, a descendência de casamentos mistos em que a esposa é judia continuará sendo judia, mas para Anat e a organização que ela representa, o mero conceito ainda é um problema.

    Levaha: uma missão

    Não está claro quantas pessoas trabalham para polêmica organização, mas segundo algumas estimativas, o movimento tem milhares de funcionários e voluntários. Apenas algumas dezenas de pessoas trabalham com o propósito específico de ajudar as mulheres a retornar ao judaísmo.

    "Nós as ajudamos conversando e mostrando a elas uma saída. Por vezes, essas meninas precisam de um apartamento para onde correr e se esconder, e nós as ajudamos. Outras vezes, elas precisam de ajuda psicológica e nós tentamos apoiá-las. Estou ciente do fato da nossa atividade ser considerada racista, mas essa atitude não nos abala", diz Anat.

    Mais:

    Oficial iraniano afirma que físico nuclear Fakhrizadeh foi assassinado com arma da OTAN
    Netanyahu anuncia início da vacinação em Israel para 27 de dezembro
    Ex-chefe de segurança espacial de Israel: alienígenas construíram base em Marte e têm acordo com EUA
    Tags:
    islamismo, judaísmo, religião, conflito armado, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar