02:00 26 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 35
    Nos siga no

    A página no Facebook do movimento Fatah foi eliminada no ano passado "como uma medida de precaução", após inúmeras reclamações da organização palestina Media Watch, que criticou o conteúdo do grupo.

    O movimento Fatah, também conhecido como Movimento de Libertação Nacional da Palestina, é ligado à Autoridade Palestina, presidida por Mahmoud Abbas, e postou recentemente um videoclipe em sua página do Facebook, que foi restaurada. O vídeo apresenta um trecho de uma música pedindo aos Estados árabes que se "unam" e se preparem para o "cemitério dos judeus", de acordo com uma tradução por um instituto de pesquisa israelense sem fins lucrativos, com base Israel, Palestinian Media Watch (PMW, na sigla em inglês).

    A postagem do vídeo do Fatah foi acompanhada de uma legenda informando que a cidade de Ramallah, na Cisjordânia, a apenas dez quilômetros de Jerusalém, foi "invadida" em 13 de outubro. A canção usada no clipe clama para que Jerusalém seja "libertada dos judeus", segundo escrutinador.

    "Quando o arabismo se torna herético e se torna sionista e americano; Iremos a [Jerusalém] com os cavaleiros de Alá; Alegrar! [Você] será libertado dos judeus; Nós iremos resgatá-lo; As fronteiras [entre os árabes] serão derrubadas; E seremos unidos; Este é o cemitério dos judeus", sugere a letra do clipe publicado em 13 de outubro, traduzido pelo PMW.
    Bandeiras dos EUA, Emirados Árabes Unidos, Israel e Bahrein
    © AFP 2020 / Jack Guez
    Bandeiras dos EUA, Emirados Árabes Unidos, Israel e Bahrein

    O PMW acredita que o trecho "o arabismo se tornando herético, sionista e americano", se refere à recente assinatura de acordos de paz entre Israel e duas nações árabes, Emirados Árabes Unidos e Bahrein. Os acordos de normalização, chamados de Acordos de Abraham, foram duramente criticados pela Autoridade Palestina e seu presidente Mahmoud Abbas, acusando-os de "traição" à causa palestina.

    De acordo com o PMW, a canção completa foi publicada pela primeira vez em dezembro de 2017, quando o presidente dos EUA, Donald Trump, reconheceu Jerusalém como a capital israelense, transferindo a embaixada americana para o local.

    Não é a primeira vez que o Fatah é criticado pela PMW por suas explosões nas redes sociais. Nos últimos anos, o PMW tem acusado a página do grupo palestino de "incitar e glorificar o ódio e a violência" com algumas de suas postagens.

    A conta do Fatah já foi eliminada e restaurada outras vezes, porém, o PMW ainda insiste que o movimento "continua fazendo mau uso do Facebook para promover o antissemitismo e a matança de judeus".

    Mais:

    Israel e Sudão concordam em normalizar relações
    Razões econômicas ou políticas? Para que EUA, Israel e EAU criam fundo de investimento
    Israel ataca Faixa de Gaza após Cúpula de Ferro interceptar foguete (VÍDEOS)
    Tags:
    violência, ódio, conflito, Israel, Palestina, Fatah
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar