05:31 23 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 13
    Nos siga no

    O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, aplaudiu neste sábado (29) o anúncio por parte dos Emirados Árabes Unidos do fim de bloqueio econômico contra Israel. 

    No início de agosto, Tel Aviv e Abu Dabhi normalizaram relações por meio de acordo mediado pelos Estados Unidos. Neste sábado (29), foi anunciado que o presidente dos Emirados Árabes Unidos, Khalifa bin Zayed Al Nahyan, emitiu decreto que permite acordos financeiros e comerciais com Israel

    Netanyahu comemorou a medida, afirmando que ela abre caminho para a cooperação econômica entre os dois países. 

    "Saúdo a decisão do presidente dos Emirados Árabes Unidos de cancelar a lei sobre o boicote a produtos de Israel e a contatos econômicos com israelenses. Esse é um passo importante na promoção da prosperidade e paz na região", afirmou o primeiro-ministro por meio de redes sociais. 

    O ministro das Relações Exteriores de Israel, Gabi Ashknazi, por sua vez, afirmou que outros países árabes deveriam seguir a decisão histórica. 

    Protestos pedem renúncia de Netanyahu

    Em troca da normalização das relações diplomáticas, Israel se comprometeu a suspender a anexação de territórios palestinos na Cisjordânia. A Autoridade Nacional Palestina considerou o acordo um ato de traição. 

    No plano doméstico, Israel viveu neste sábado (29) mais um dia de protestos contra o governo. Pela décima semana seguida, manifestantes se concentraram em frente à residência oficial de Netanyahu, em Jerusalém, para pedir a sua renúncia. 

    Segundo o jornal Haaretz, cerca de 20.000 pessoas se reuniam no local. Protestos menores ocorreram em centenas de outras localidades de Israel, assim como em 18 cidades ao redor do mundo. 

    O movimento pede a saída de Netanyanu do poder em face das acusações de corrupção contra ele. Após adiamento provocado pela pandemia do novo coronavírus, o primeiro-ministro deverá ser julgado em janeiro de 2021. Os manifestantes também criticam a maneira como o governo conduziu a crise sanitária e econômica gerada pela COVID-19. 

    Mais:

    Fortaleza egípcia, local de batalhas dos tempos bíblicos, é achada em Israel (FOTOS)
    Satélite espião de Israel revela detalhes da histórica cidade síria de Palmira (FOTOS)
    Israel e Emirados Árabes planejam construir bases de espionagem no Iêmen, diz mídia
    Tags:
    primeiro-ministro, julgamento, corrupção, manifestação, diplomacia, acordo, Benjamin Netanyahu, Emirados Árabes Unidos, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar