22:00 09 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7118
    Nos siga no

    A abolição do embargo de armas contra o Irã fortaleceria o governo daquele país e ameaçaria a segurança em todo o Oriente Médio, disse a repórteres o representante especial de Washington para o Irã e conselheiro sênior do secretário de Estado dos EUA, Brian Hook.

    "O levantamento da proibição ao Irã apenas reforçará o regime e criará mais instabilidade na região", declarou Hook durante uma entrevista coletiva na Arábia Saudita.

    O embargo em vigor limitou a capacidade de Teerã de atualizar sistemas de armas, reexportar tecnologias para outros países e melhorar suas capacidades marítimas, declarou o enviado dos EUA.

    "O embargo limita a capacidade do Irã de mover armas livremente", acrescentou.

    Em 2015, o Irã assinou o Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), com China, França, Alemanha, Rússia, Reino Unido, Estados Unidos, Alemanha e União Europeia (UE).

    O acordo exigia que Teerã reduzisse seu programa nuclear e cortasse drasticamente suas reservas de urânio em troca de sanções, incluindo a suspensão do embargo de armas cinco anos após a adoção do acordo.

    No entanto, em 8 de maio de 2018, os Estados Unidos abandonaram sua política conciliatória sobre o Irã, retiraram-se do JCPOA e atingiram as indústrias de petróleo iranianas com sanções.

    Mais:

    Congressistas do Irã defendem rejeição de pedido de inspeções adicionais em instalações nucleares
    Europa e EUA financiaram 'atrocidades' do grupo terrorista no Irã, diz MRE do país
    Irã emite mandado de prisão contra Trump pelo assassinato de Soleimani e pede ajuda à Interpol
    Tags:
    segurança, diplomacia, acordo nuclear, Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), sanções, embargo de armas, Oriente Médio, Irã, Estados Unidos, Brian Hook
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar