23:11 04 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 02
    Nos siga no

    Missão da ONU no Afeganistão apontou aumento de 22% no número de civis mortos por grupos antigovernamentais no país no primeiro trimestre de 2020, quando comparado ao mesmo período de 2019.

    Desta forma, apesar do acordo de paz assinado entre os EUA e o Talibã (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) em Doha no início do ano, este apresentou pouco efeito na redução do número de civis mortos no país.

    No primeiro trimestre de 2019, 604 civis afegãos morreram como resultado da violência no país. Já entre 1° de janeiro e 31 de março de 2020, tal número caiu para 533.

    Analisando melhor os dados de mortos no primeiro trimestre de 2020, a Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão (UNAMA, na sigla em inglês) publicou relatório que classificou as perdas de civis entre vítimas de grupos antigovernamentais e das forças de segurança do país.

    Os grupos antigovernamentais foram responsáveis por 55% das mortes em geral, ou seja, 282 pessoas, além de terem ferido outras 428. Deste número, 39% foi atribuído ao Talibã, 13% ao Daesh-Khorasan (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países e que atua principalmente na província afegã de Khorasan) e o restante a outros grupos armados.

    O relatório também apontou que após a assinatura do acordo, o número de civis mortos pelo Talibã cresceu especialmente em março de 2020 se comparado com o mesmo mês em 2019.

    Apesar dos dados preocupantes, a missão da ONU afirmou que os mesmos poderão ser revisados. No entanto, o quadro geral foi considerado preocupante pela organização.

    Mais:

    Espanha reduz soldados no Iraque, Afeganistão e Mali por causa do COVID-19
    Foguetes atingem base aérea dos EUA no Afeganistão
    EUA estão deixando Afeganistão 'depois de 19 anos de humilhação', diz chanceler do Irã
    Tags:
    acordo de paz, Cabul, EUA, Talibã, guerra do afeganistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar