09:37 01 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    439
    Nos siga no

    Chefe do Comando Central das Forças Armadas dos EUA disse que seu país proveu suporte limitado ao Talibã para lutar contra o Daesh no Afeganistão.

    Em declaração no Comitê de Serviços Armados da Câmara de Representantes dos EUA, o general Kenneth Frank McKenzie disse:

    "Teve um apoio bem limitado de nossa parte, e eu gostaria de acentuar que foi um suporte bem limitado", citou as palavras de McKenzie o portal Military.com.

    Apesar da afirmação, o general, que é o chefe do Comando Central das Forças Armadas americanas e responsável pelas tropas do país no Afeganistão e Oriente Médio, não concedeu mais detalhes de como seus militares apoiaram o Talibã contra o Daesh (organizações terroristas proibidas na Rússia e em outros países).

    Contudo, segundo a mídia, McKenzie teria sugerido que o apoio dado focou áreas remotas da província afegã de Nangarhar, onde ocorrem atividades de uma organização filiada ao Daesh no país.

    O general também disse que o Talibã "foi muito eficiente" na luta contra o Daesh.

    Relações 'complicadas'

    A fala de McKenzie se dá logo após os EUA e o Talibã assinarem um acordo que visa pôr fim à violência no Afeganistão após quase 20 anos de conflito entre o grupo e a coalizão internacional.

    É válido ressaltar que o acordo prevê a retirada das forças americanas de forma gradual do país.

    Mais:

    'Não cabe aos EUA decidir': presidente do Afeganistão rejeita liberação de prisioneiros do Talibã
    Afeganistão é o maior erro estratégico na história militar dos EUA, diz analista
    Militares dos EUA poderiam ter condições na África piores do que no Afeganistão
    Tags:
    guerra do afeganistão, EUA, Daesh, Talibã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar