05:07 14 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13412
    Nos siga no

    O Exército sírio tem o todo o direito de lutar contra os terroristas na província de Idlib, Moscou não pode proibi-lo de o fazer, afirmou o chanceler russo Sergei Lavrov.

    "Em resposta às repetidas violações do cessar-fogo a partir do interior da zona [de desescalada] de Idlib, o Exército sírio tem todo o direito de responder e combater os terroristas. Nós não podemos proibir o Exército sírio de cumprir as obrigações incluídas nas resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas de lutar impiedosamente e sem compromissos contra o terrorismo em todas as suas formas e manifestações", disse Lavrov em coletiva de imprensa após conversações com o seu homólogo de Luxemburgo, Jean Asselborn.

    A situação na província síria de Idlib se agravou depois que ontem (27) os terroristas da Frente al-Nusra (grupo terrorista proibido na Rússia e em outros países) iniciaram uma ofensiva em larga escala contra posições das forças governamentais da Síria. 

    O Exército sírio respondeu ao ataque. De acordo com informações do Ministério da Defesa da Rússia, militares turcos, que não era suposto lá estarem, também foram atingidos pelo fogo de resposta.

    Como resultado, 33 militares turcos foram mortos e mais de 30 ficaram feridos. Logo após receber informações sobre as perdas militares turcas, o lado russo tomou medidas para que as forças sírias cessassem completamente o fogo. Foi assegurada a evacuação segura dos militares turcos falecidos e feridos para o território turco. O Ministério da Defesa da Rússia salientou que a aviação da Força Aeroespacial do país não tinha sido usada nesta região. 

    Após a ofensiva, o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, convocou uma reunião de segurança. Nesta sexta-feira (28), o Conselho da OTAN vai realizar consultas relativamente à situação na Síria em resposta ao pedido de Ancara.

    Anteriormente o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou fortes preocupações com a intensificação das hostilidades no noroeste da Síria, onde foram mortos pelo menos 33 militares turcos.

    ​De acordo com o pronunciamento, Guterres reitera que não há uma solução militar para o conflito na Síria, sendo a única solução sustentável um processo político facilitado pelas Nações Unidas, em conformidade com a resolução 2254 (2015) do Conselho de Segurança, que tem como base o cessar-fogo e a negociação entre as partes envolvidas.

    A tensão na zona desmilitarizada de Idlib, criada em 2018 por um acordo entre os presidentes da Rússia e da Turquia, aumentou no início de fevereiro devido à troca de ataques entre militares turcos e sírios, em meio à ofensiva de Damasco para recuperar o controle dessa província, a última fortaleza de grupos terroristas e rebeldes no país.

    Mais:

    Forças de defesa da Síria derrubam drone turco que tinha como alvo posições no norte do país
    ONU declara preocupação com escalada militar na Síria
    Força Aérea russa não operava na área da Síria onde soldados turcos morreram, diz Defesa da Rússia
    Tags:
    ofensiva, grupos terroristas, Turquia, Rússia, Oriente Médio, exército sírio, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar