02:37 10 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    713
    Nos siga no

    O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, expressou forte preocupação com a intensificação das hostilidades no noroeste da Síria, onde pelo menos 33 militares turcos foram mortos nesta quinta-feira (27).

    "O secretário-geral está acompanhando com séria preocupação a escalada no noroeste da Síria e os relatos de que dezenas de soldados turcos foram mortos por um ataque aéreo. O secretário-geral reitera seu apelo a um cessar-fogo imediato e expressa uma preocupação particular com o risco para os civis ao escalarem as ações militares. Sem uma ação urgente, o risco de uma escalada ainda maior aumenta a cada hora", disse o serviço de imprensa da ONU. 

    ​De acordo com o pronunciamento, Guterres reitera que não há uma solução militar para o conflito na Síria, sendo a única solução sustentável um processo político facilitado pelas Nações Unidas, em conformidade com a resolução 2254 (2015) do Conselho de Segurança, que tem como base o cessar-fogo e a negociação entre as partes envolvidas.

    A tensão na zona desmilitarizada de Idlib, criada em 2018 por um acordo entre os presidentes da Rússia e da Turquia, aumentou no início de fevereiro devido à troca de ataques entre militares turcos e sírios, em meio à ofensiva de Damasco para recuperar o controle dessa província, a última fortaleza de grupos terroristas e rebeldes no país.

    Nesta madrugada, a Turquia lançou uma série de ataques terrestres e aéreos na região, em represália ao bombardeio aéreo do Exército Sírio que matou dezenas de soldados turcos na última quinta-feira.

    Mais:

    Defesa Aérea da Síria ataca 'alvos hostis' próximos a Damasco (VÍDEOS)
    Turquia faz ataque na Síria em retaliação à morte de 2 soldados turcos
    Forças de defesa da Síria derrubam drone turco que tinha como alvo posições no norte do país
    Tags:
    ataque, Idlib, Rússia, Nações Unidas, Damasco, Turquia, António Guterres, Síria, ONU
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar