15:51 09 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    155510
    Nos siga no

    A revista norte-americana The National Interest avaliou as possibilidades de um confronto entre os EUA e a Rússia na província de Idlib, na Síria, realizando os mais obscuros "pesadelos da Guerra Fria".

    A situação na província de Idlib atingiu níveis de tensão preocupantes nesta quinta-feira (20), quando dois soldados turcos morreram em confrontos com as Forças Armadas sírias, apoiadas por Moscou.

    Bashar Assad conduz uma operação para retomar na província de Idlib as rodovias M4 e M5, que ligam as duas maiores cidades da Síria, Aleppo e Damasco.

    Membro do exército sírio dirige em vilarejos retomados ao sudeste da província de Idlib, em 25 de janeiro de 2020
    © Sputnik / Mikhail Voskresensky
    Membro do exército sírio dirige em vilarejos retomados ao sudeste da província de Idlib, em 25 de janeiro de 2020

    Os Estados Unidos, que mantêm forças na região leste da Síria e são um aliado da Turquia no âmbito da OTAN, estão avaliando qual deve ser o seu papel nesse arriscado teatro de guerra.

    Após os incidentes desta quinta-feira (20), a Turquia solicitou aos EUA que realizasse patrulhas aéreas e mobilizasse seu sistema de defesa antiaérea para deter a Rússia.

    "A OTAN nunca viu combates dessa intensidade tão próximo da fronteira de um Estado membro", disse o último embaixador dos EUA na Síria, Robert Ford, em coletiva de imprensa.

    A revista reporta que existem divisões dentro do governo dos EUA acerca do tipo de apoio que os norte-americanos devem fornecer à Síria. Se, por um lado, o Departamento de Estado, manifesta apoio total à Turquia, o Departamento de Defesa deseja manter o foco na região leste do país.

    A coalizão liderada pelos EUA "está focada em derrotar o Daesh [organização terrorista proibida na Rússia e demais países] na região leste da Síria", disse o porta-voz da coalizão, coronel Myles Caggins, à Sky News.

    Soldado turco caminha perto de veículos militares turcos perto de Idlib, na Síria, 11 de fevereiro de 2020 (foto de arquivo)
    © REUTERS / Khalil Ashawi
    Soldado turco caminha perto de veículos militares turcos perto de Idlib, na Síria, 11 de fevereiro de 2020 (foto de arquivo)

    O coronel descreveu Idlib como um "imã para grupos terroristas", que são um "incômodo, um perigo e uma ameaça à população civil".

    O porta-voz do Pentágono, Jonathan Hoffman, pediu uma desescalada dos confrontos.

    "Estamos vendo que os russos e os turcos se aproximaram muito de um conflito mais extenso na área. Esperamos que eles encontrem uma solução para evitar isso", disse Hoffman.

    O Departamento de Estado tem sido mais incisivo nas suas declarações de apoio à Turquia.

    "Estamos do lado do nosso aliado da OTAN, a Turquia [...] e apoiamos totalmente suas ações justificadas de autodefesa", disse o secretário de Estado, Mike Pompeo, após os incidentes de quinta-feira.

    Soldados russos e sírios perto de comboio militar americano a leste da cidade de Qamishli, Síria, 12 de fevereiro de 2020
    © AP Photo /
    Soldados russos e sírios perto de comboio militar americano a leste da cidade de Qamishli, Síria, 12 de fevereiro de 2020

    O representante especial dos EUA para assuntos sírios, embaixador James Jeffrey, acredita que Rússia, Síria e Irã só irão para a mesa de negociações "quando perceberem que não farão mais nenhum avanço [militar] sem entrar em conflito conosco [...] ou com a Força Aérea de Israel, ou com a Turquia", declarou.

    Robert Ford concorda com a necessidade de agir de maneira mais incisiva em favor da Turquia e propôs o "estabelecimento de uma zona de segurança para civis no lado sírio da fronteira entre Síria e Turquia".

    "Os turcos podem ajudar com essa zona de segurança a partir de dentro da Turquia, mas como eles estão lidando com a Rússia, vão precisar de ajuda dos EUA", disse Ford.

    Ford teria enfatizado à revista norte-americana que ele não está propondo a colocação de tropas dos EUA no território sírio em si, acrescentando que uma incursão em Idlib com "patrulhas aéreas de combate" significariam um "cenário de 3ª Guerra Mundial".

    Nesta quinta-feira (20), forças turcas romperam a linha de defesa das Forças Armadas sírias na província de Idlib. A Rússia declarou ter usado caças-bombardeiros Su-24 para auxiliar a Síria a repelir o ataque.

    Mais:

    'Pior dos cenários': Moscou reage à ameaça da Turquia de realizar operação na Síria
    Ofensiva militar turca na província de Idlib será vista como invasão, advertem na Síria
    Aliança entre Turquia e Rússia sobreviverá à crise na Síria?
    Tags:
    Síria, Turquia, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar