18:28 20 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    44817
    Nos siga no

    O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, anunciou neste domingo (5) que militares de Ancara embarcaram rumo à Líbia para uma missão de "coordenação e estabilidade".

    Desde a queda do então presidente Muammar Kadhafi após uma intervenção militar da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) em 2011, a Líbia está dividida em facções. 

    Na capital Trípoli e na região oeste está o Governo do Acordo Nacional, que é reconhecido pela Organização das Nações Unidas (ONU). A região leste é controlada pelo Exército Nacional da Líbia, liderado por Khalifa Haftar, que lançou uma ofensiva para tomar Trípoli. 

    "Nossas tropas estão partindo gradualmente para a Líbia. Eles coordenarão [sua ação com o Governo do Acordo Nacional] lá. Nosso objetivo é apoiar o governo legítimo", disse Erdogan segundo a CNN Turquia. "O objetivo é apoiar um governo legítimo. Isso não prejudicará nosso acordo. A tarefa das Forças Armadas turcas é garantir um cessar-fogo, não lutar. Por outro lado, apoiando um legítimo governo, impedir uma catástrofe humanitária "

    O envio dos militares turcos já foi aprovado pelo Parlamento de Ancara.

    A ação turca pode ter inspirações históricas já que a Líbia fez parte do Império Otamano até 1911. Os críticos acusam Erdogan repetidamente de tentar recuperar os territórios controlados pelo Império Otomano antes de sua derrota e dissolução após a Primeira Guerra Mundial.

    Mais:

    Parlamento da Turquia aprova envio de tropas à Líbia
    Trump alerta Turquia contra 'interferência' após votação para envio de tropas à Líbia
    Marechal Haftar declara 'jihad e mobilização geral' contra operação militar turca na Líbia
    ONU: apoio estrangeiro às partes em conflito na Líbia vai agravar situação
    Pelo menos 28 pessoas morrem em ataque aéreo em Trípoli, na Líbia
    Arábia Saudita condena envio de tropas turcas para Líbia
    Tags:
    tropas, Turquia, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar