05:08 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    734
    Nos siga no

    Os Estados Unidos aumentarão seus esforços para combater a Rússia e a China no Oriente Médio no próximo ano, declarou o secretário adjunto de Assuntos do Oriente Médio David Schenker a repórteres.

    "Embora tenhamos tido sucesso no ano passado como resultado das políticas de administração, é claro que reconhecemos que os desafios permanecem. Isso inclui a influência maligna persistente do Irã na região e no mundo", afirmou Schenker nesta segunda-feira.

    "Eu sei que em 2020, também veremos um aumento nos esforços dos EUA para combater a interferência russa e a ameaça chinesa na região", acrescentou.

    Em outubro, o Representante Especial dos EUA, Brian Hook, disse em depoimento no Congresso que os Estados Unidos esperam que a China e a Rússia apoiem, em vez de vetar, o prolongamento do embargo de armas ao Irã no Conselho de Segurança da ONU.

    Hook também revelou que ele e o secretário de Estado Mike Pompeo discutiram com a Rússia e a China as perspectivas de promover um Oriente Médio mais pacífico e estável, incluindo ameaças como ataques às instalações petrolíferas sauditas em 14 de setembro.

    Enquanto o movimento Houthis no Iêmen assumiu a responsabilidade pelo ataque às instalações de petróleo sauditas, os Estados Unidos culparam o Irã. Teerã negou envolvimento no ataque.

    Mais:

    Jogando cartas com o inimigo: Rússia, China e Irã são curingas do novo baralho do Exército dos EUA
    Acordo entre Rússia e Turquia sobre produção conjunta do S-400 deve ser fechado até abril de 2020
    EUA estão preocupados com aliança entre Turquia e Rússia, diz secretário de Defesa
    Tags:
    ONU, interferência estrangeira, defesa, segurança, ameaça, diplomacia, houthis, Mike Pompeo, Donald Trump, Oriente Médio, Arábia Saudita, Irã, China, Rússia, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar