07:55 23 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    342454
    Nos siga no

    O ministro das Relações Exteriores israelense, Israel Katz, afirmou que Israel estaria pronto para bombardear o Irã a fim de impedir que obtenha armas nucleares, escreve jornal.

    Em resposta à pergunta se Israel está considerando bombardear a República Islâmica, o chanceler israelense disse ao jornal Corriere Della Sera que "é uma opção".

    "Não permitiremos que o Irã produza ou obtenha armas nucleares. Se for a última coisa possível para o impedir, vamos agir militarmente", afirmou o ministro falando em uma conferência em Roma (Itália) sobre os desafios enfrentados pelas nações mediterrânicas.

    Segundo o chanceler, as sanções que Washington impôs a Teerã "não são suficientes" e o "único dissuasor é uma ameaça militar dirigida contra o regime".

    "Se o Irã cruzar a linha vermelha, descobrirá uma frente comum que inclui a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos e os EUA, e verá o poder americano quando milhares de mísseis Tomahawk forem lançados sobre Teerã", advertiu Katz.

    Caminhão militar levando míssil iraniano Sejil durante desfile militar em Teerã, Irã (imagem de arquivo)
    © AFP 2019 / CHAVOSH HOMAVANDI / AFP
    Caminhão militar levando míssil iraniano Sejil durante desfile militar em Teerã, Irã (imagem de arquivo)

    De acordo com jornal Haaretz, Israel Katz declarou que os países ocidentais e árabes precisam "criar uma coalizão que ameace o Irã e lhe diga para parar seu programa nuclear", além de ter criticado a Europa por não apoiar a linha dura que os EUA adotaram com o presidente Donald Trump quando se retiraram do acordo nuclear de 2015.

    Mais:

    Irã teria mísseis balísticos capazes de carregar armas nucleares, alegam europeus na ONU
    Irã alcança autossuficiência na produção de armamentos de defesa, afirma oficial
    Irã apresenta novo orçamento para 'resistir' às sanções dos EUA
    Tags:
    bombardeio, Israel Katz, israel, armas nucleares, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar