17:02 24 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16147
    Nos siga no

    Em carta endereçada ao secretário-geral da ONU, França, Alemanha e Reino Unido acusam Irã de possuir mísseis balísticos de médio alcance capazes de carregar ogivas nucleares.

    Com base em imagens inéditas de teste de míssil de médio alcance Shahab-3, França, Alemanha e Reino Unido acusam o Irã de desenvolver mísseis balísticos com capacidades nucleares, em violação à Resolução do Conselho de Segurança da ONU que endossou o acordo nuclear iraniano.

    A carta aponta imagens de 22 de abril de 2019, que revelam teste da nova versão do míssil balístico de médio alcance, o Shahab-3, equipada com "veículo manobrável de reentrada", que seria "tecnicamente capaz de carregar uma arma nuclear".

    A carta cita ainda testes de mísseis realizados em julho de 2019 e a tentativa frustrada de lançar um satélite iraniano, o Safir, em agosto deste ano, como provas de que o "Irã continua proliferando a tecnologia de mísseis balísticos na região".

    Iranianos dirigem próximos a míssil balístico Shahab-3, em exposição na cidade de Teerã (foto de arquivo)
    © AP Photo / Vahid Salemi
    Iranianos dirigem próximos a míssil balístico Shahab-3, em exposição na cidade de Teerã (foto de arquivo)

    Membros da administração Trump também afirmam que o Irã estaria trabalhando para obter mísseis capazes de carregar armas nucleares, reportou a AP.

    Violação à Resolução do Conselho de Segurança?

    Os representantes europeus alertaram o secretário-geral da ONU, António Guterres, para o fato de os programas de mísseis balísticos iranianos serem "inconsistentes" com a Resolução do Conselho de Segurança que endossou o acordo nuclear iraniano.

    "O Irã é incitado a não desenvolver nenhuma atividade relacionada a mísseis balísticos desenvolvidos para carregar armas nucleares [...] até oito anos após a adoção do acordo nuclear", versa a Resolução 2231 de 2015.

    Conforme a resolução, o veto ao desenvolvimento deste tipo de mísseis é condição para a manutenção do acordo nuclear iraniano.

    Os europeus também citaram relatório da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de 2015, no qual inspetores identificaram "provas contundentes de que os pesquisadores iranianos trabalhavam para armar o Shahab-3 com ogivas nucleares, entre os anos de 2002 e 2003".

    Sessão do Conselho de Segurança da ONU
    © REUTERS / Mike Segar
    Sessão do Conselho de Segurança da ONU

    O governo iraniano alega que suas atividades são legais e não estariam vinculadas a armamentos nucleares.

    O Conselho de Segurança agendou uma reunião para discutir a implementação da resolução de 2015 sobre o acordo nuclear iraniano, a ser realizada em 19 de dezembro.

    O presidente Donald Trump retirou unilateralmente os EUA do acordo nuclear em maio de 2018. No entanto, os membros do Conselho de Segurança da ONU - França, Reino Unido, Rússia, China mantêm seu apoio ao acordo.

    Mais:

    Marinha dos EUA reporta 'aproximação perigosa' de avião do Irã de navios americanos (FOTO)
    Inteligência dos EUA acusa Irã de armazenar secretamente mísseis balísticos no Iraque
    'Fala sério?' Ministro iraniano repudia ameaça da Europa sobre acordo nuclear
    Tags:
    acordo nuclear, programa de mísseis balísticos, mísseis balísticos, Conselho de Segurança da ONU, secretário-geral, ONU, Reino Unido, França, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar