04:02 24 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4191
    Nos siga no

    O representante permanente da Síria na Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Bassam Sabah, declarou que, desde que aderiu à Convenção sobre a Proibição de Armas Químicas, a Síria fez mais do que os EUA em relação à destruição dos seus arsenais.

    "Em muito pouco tempo, a Síria fez mais do que os Estados Unidos, que aderiram à Convenção desde o início, mas estão atrasando a destruição completa de seus enormes estoques de armas químicas", disse Sabah ao discursar na 24ª sessão da Conferência dos Estados Partes da Convenção para a Proibição de Armas Químicas, em Haia.

    O diplomata lembrou que a Síria aderiu à Convenção em 2013, sendo que a Convenção entrou em vigor em 1997.

    "Cumprimos todos os compromissos assumidos e concluímos a destruição de nossas armas químicas e das instalações onde foram produzidas, alcançando-as em condições extremamente complicadas", disse Sabah.

    Em 25 de novembro, o diretor geral da OPAQ, Fernando Arias, declarou que "em 31 de outubro de 2019, um total de 68,6 mil toneladas, ou 97,3% das armas químicas de categoria 1 declaradas, foram destruídas sob verificação do Secretariado da organização".

    Mais:

    Rússia alerta para possível provocação com armas químicas na Síria
    Turquia nunca usou armas químicas contra curdos em operação na Síria, diz ministro
    Destruição total das armas químicas mundiais está muito próxima, diz OPAQ
    Tags:
    Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), armas químicas, eua, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar