09:25 17 Fevereiro 2020
Ouvir Rádio
    Defesa
    URL curta
    260
    Nos siga no

    Organização para a Proibição de Armas Químicas anunciou que quase todos os estoques de armas químicas mundiais declarados foram destruídos recentemente.

    A destruição total dos estoques mundiais de armas químicas declarados está muito próxima, disse na segunda-feira (25) Fernando Arias, diretor-geral da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), durante a abertura da 24ª sessão da Conferência dos Estados Partes em Haia, Países Baixos, informa agência RIA Novosti

    Hassan Diab, garoto que participou da encanação de ataque químico em Douma, durante coletiva de imprensa da OPAQ em Haia
    © AP Photo / Peter Dejong
    Hassan Diab, garoto que participou da encanação de ataque químico em Douma, durante coletiva de imprensa da OPAQ em Haia
    "Ao longo do último ano, o Secretariado aplicou esforços adicionais para garantir o cumprimento da CSAQ (Convenção sobre Armas Químicas) em tempos de grandes dificuldades. A destruição total das reservas químicas declaradas, o objetivo-chave da CSAQ, está muito próxima. No entanto, surgem sérios desafios para o funcionamento das normas da convenção, tais como o uso de armas químicas no Iraque, Malásia, Síria e Reino Unido", disse ele na abertura da sessão.

    De acordo com Arias, "espera-se que a OPAQ proíba decididamente o reaparecimento das armas químicas".

    "Milhares de toneladas de produtos químicos tóxicos são produzidos, transportados e consumidos em todo o mundo exclusivamente para fins legítimos, e essas atividades legítimas são monitoradas pelo Secretariado [da OPAQ] no âmbito de um rigoroso regime de inspeção industrial. Apesar disso, enquanto a reaparecimento ou utilização de armas químicas for uma realidade, existe o risco de alguns volumes destes produtos poderem resultar em grandes danos se houver má intenção", salientou o diretor da OPAQ.

    Ele acrescentou que "a comunidade internacional deve garantir que nenhum país permaneça fora da CSAQ".

    Detalhes do progresso

    Falando sobre a destruição de armas químicas, Arias observou que "em 31 de outubro de 2019, um total de 68,6 mil toneladas, ou 97,3% das armas químicas de categoria 1 declaradas, foram destruídas sob verificação do Secretariado da organização". Estes números incluem "a destruição pelos EUA de 25,9 mil toneladas, ou 93,3% de suas armas químicas declaradas de Categoria 1".

    A 24ª sessão dos Estados partes da OPAQ, em Haia, decorrerá até 29 de novembro.

    Oleg Ryazantsev, vice-ministro da Indústria e Comércio, é o chefe da delegação russa durante a sessão. A delegação inclui também o embaixador da Federação da Rússia nos Países Baixos, Alexander Shulgin, o chefe do Centro de Pesquisa Analítica sobre Convenções de Proibição de Armas Químicas e Biológicas do Ministério da Indústria e Comércio da Federação da Rússia, Viktor Kholstov, e outros.

    Mais:

    Turquia nunca usou armas químicas contra curdos em operação na Síria, diz ministro
    WikiLeaks anuncia provas que refutam 'ataque químico' de Assad na Síria
    Defesa russa: Grupo terrorista tentou forjar ataque químico em Aleppo, na Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar