19:08 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Forças dos EUA patrulhando campos petrolíferos sírios

    Não era o fim? EUA recomeçam intervenção contra Daesh na Síria

    © AP Photo / Baderkhan Ahmad
    Oriente Médio e África
    URL curta
    11828
    Nos siga no

    Exército dos EUA retoma ofensiva após declarações de Trump sobre ter derrotado o grupo terrorista.

    As tropas norte-americanas estacionadas perto de Deir ez-Zor juntaram-se aos aliados curdos para uma nova operação contra as forças restantes do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) no leste da Síria, depois da administração Trump ter alegado que derrotou o grupo terrorista.

    Apenas um pequeno contingente de tropas dos EUA deve permanecer na Síria para proteger os poços petrolíferos no leste do país, mas a Força-Tarefa Conjunta Combinada–Operação Resolução Inerente (CJTF–OIR), a coalizão contra o Daesh liderada pelos EUA, anunciou uma nova operação de libertação contra o grupo militante em conjunto com forças sírias.

    O comandante da CJTF-OIR, major-general Eric Hill da Força Aérea dos EUA, disse em uma coletiva de imprensa no sábado (23) que, no dia anterior, as forças da coalizão haviam capturado uma "quantidade significativa" de armas leves, explosivos caseiros e munições e detiveram mais de uma dúzia de combatentes do Daesh, informa o portal Military.com.

    "Enquanto o Daesh representar uma ameaça, devemos permanecer vigilantes para preveni-la, para o bem da região e de nossas pátrias", disse Hill no sábado (23) em uma declaração da coalizão. Após a retirada dos EUA, aproximadamente 500 militares norte-americanos permanecem na Síria.

    Operação contra Daesh

    A operação é baseada na província de Deir ez-Zor, uma província síria que atravessa o Rio Eufrates e onde estão localizados muitos dos campos petrolíferos do país. Foi também onde o Daesh realizou sua resistência final na primavera passada, defendendo ferozmente uma faixa de território perto da cidade de al-Baghuz Fawqani.

    "Durante os próximos dias e semanas, o objetivo será voltar a combater contra os restos do Daesh", disse no sábado (23) aos repórteres o general Kenneth F. McKenzie, que chefia o Comando Central dos EUA a partir do seu quartel-general no Bahrein, durante a conferência de segurança Manama Dialogue, de acordo com o diário New York Times.

    "Estamos falando de punhados de pessoas que representam os destroços que ficaram do califado", observou McKenzie. "Eles ainda têm o poder de ferir, ainda têm o poder de causar violência."

    Situação de guerra

    Apesar de os EUA se terem retirado da fronteira sírio-turca no mês passado e permitirem que os soldados turcos empurrassem os curdos para fora da área fronteiriça, McKenzie disse que as relações entre os EUA e as forças curdas ainda são "bastante boas".

    Um relatório divulgado no início deste mês pela Agência de Inteligência de Defesa dos EUA (DIA, sigla em inglês) observou que o Daesh tinha "explorado a incursão turca e subsequente retirada das tropas dos EUA para reconstituir capacidades e recursos dentro da Síria e fortalecer sua capacidade de planejar ataques no exterior".

    "A longo prazo, [o Daesh] provavelmente procurará recuperar o controle de alguns centros populacionais sírios e expandir sua pegada global", alertou o relatório. Nele se observa que a morte de Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Daesh, pelas mãos das Forças Especiais dos EUA teria "provavelmente pouco efeito" sobre a capacidade de reconstrução da organização, já que ela já estava "preparada para resistir" à morte de seu líder.

    Mais:

    Netanyahu sobre ataques contra a Síria: 'Quem estiver nos machucando, será machucado'
    Explosão de carro deixa pelo menos 4 mortos e dezenas de feridos na Síria (FOTOS, VÍDEO)
    Rússia envia destacamento médico das tropas especiais para o norte da Síria
    Tags:
    Donald Trump, Daesh, militantes, eua, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar