17:59 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Exercícios militares no Irã com lançamento de míssil terra-mar Saegheh

    Irã adverte EUA, Israel e Arábia Saudita: serão destruídos se cruzarem nossas linhas vermelhas

    © AP Photo / Fars News Agency/Mehdi Marziad
    Oriente Médio e África
    URL curta
    24638
    Nos siga no

    No mês passado, o chefe da Marinha do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica, contra-almirante Alireza Tangsiri, advertiu que aqueles que violarem as fronteiras do Irã terão um "destino amargo", em um momento em que as relações com EUA não são as melhores.

    O chefe da Guarda Revolucionária, major-general Hossein Salami, prometeu que as forças iranianas destruirão os Estados Unidos, Israel e a Arábia Saudita se eles passarem aquilo descrito por ele como os limites de Teerã.

    "Nós demonstramos controle […] demonstramos paciência com as atitudes hostis de [Estados Unidos da] América, do regime sionista (Israel) e Arábia Saudita contra a República Islâmica do Irã [...], mas nós vamos destruí-los se eles cruzarem nossas linhas vermelhas", declarou Salami, escreve jornal israelense Haaretz.

    Anteriormente, o chefe da Marinha do IRGC, Alireza Tangsiri, disse que a captura das forças americanas e britânicas, que entraram nas águas territoriais do país persa no passado, foi apenas um "aviso" para aqueles que buscam infringir as fronteiras marítimas do Irã.

    Em meados de novembro, o presidente iraniano, Hassan Rouhani, afirmou que os Estados Unidos e Israel estão por trás de "todas as guerras, massacres e disputas na região" do Oriente Médio.

    Além disso, o presidente acrescentou que Washington já demonstrou abertamente que o seu objetivo na Síria era petróleo.

    Mais:

    Irã acusa EUA de ajudar Israel a 'ocupar' Palestina
    Principal general dos EUA visita Israel em meio a tensão com Irã
    Tags:
    Alireza Tangsiri, Hossein Salami, Corpo de Guardas da Revolução Islâmica (IRGC), Estados Unidos, Israel, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar